Em uma manifestação recheada de críticas à atuação da Procuradoria-Geral da República, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira.

Temer critica atuação da PGR e pede rejeição
Temer critica atuação da PGR e pede rejeição

BRASÍLIA (Reuters) – Em uma manifestação recheada de críticas à atuação da Procuradoria-Geral da República, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor do presidente Michel Temer, pediu nesta quarta-feira a rejeição pela Câmara de autorização para o julgamento da denúncia de corrupção passiva contra o chefe do Executivo pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo o advogado, não há provas que Temer tenha recebido os recursos de propina repassados pelo grupo J&F por intermédio do ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures. Ele lembrou que uma mala de dinheiro encontrada com Rocha Loures foi devolvida.

“O presidente recebeu? Quando que o presidente da República recebeu algum níquel? Ah, não, ele não recebeu diretamente, recebeu por intermédio de terceira pessoa, seria um assessor seu”, questionou o advogado, em pronunciamento no plenário da Câmara durante sessão destinada a debater e votar a denúncia.

“Desejam ardentemente, ardorosamente, que esta mala fosse para o presidente da República”, criticou.

Para Mariz, foi preparada uma “armação” extremamente prejudicial ao país. Ele disse que, embora tenha admiração pelo Ministério Público, o problema não é a instituição, mas sim os homens. “Não é possível o Ministério Público extrapolar os limites”, disse ele, que ressalvou ter uma boa relação com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O advogado disse que, em caso de rejeição da acusação, a denúncia voltará a tramitar em 2019 na primeira instância da Justiça, quando Temer deixará o Palácio do Planalto. Ele afirmou que o presidente não poderia, até lá, continuar sua agenda de reformas, que chamou de “missão redentora para o país”.

“É apenas uma questão temporal, um ano e meio, será o presidente da República um facínora que não pode ficar solto?”, questionou. “Deverá ser ele expulso do Palácio do Planalto que não pode ficar um ano e meio no cargo?”, indagou.

O defensor perguntou se Temer cometeu barbaridades de tal monta que mereceria esta “pena cruel”.

Por Ricardo Brito

https://redealmeidense.com.br/brasil/wp-content/uploads/2017/08/PGR-1024x710.jpghttps://redealmeidense.com.br/brasil/wp-content/uploads/2017/08/PGR-150x150.jpgBrasilNotíciasEm uma manifestação recheada de críticas à atuação da Procuradoria-Geral da República, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira. BRASÍLIA (Reuters) - Em uma manifestação recheada de críticas à atuação da Procuradoria-Geral da República, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor do presidente Michel Temer, pediu nesta quarta-feira a...Na Rede Almeidense você acompanha o que acontece no Brasil federativo.