Procurador prepara acusações contra presidente da Coreia do Sul caso corte aprove impeachment.As descobertas da investigação de 70 dias levaram à acusação direta contra Park

A presidente afastada da Coreia do Sul, Park Geun-hye, se aliou com uma amiga para receber propinas do Grupo Samsung
A presidente afastada da Coreia do Sul, Park Geun-hye, se aliou com uma amiga para receber propinas do Grupo Samsung

Por Ju-min Park

SEUL (Reuters) – A presidente afastada da Coreia do Sul, Park Geun-hye, se aliou com uma amiga para receber propinas do Grupo Samsung com o objetivo de cimentar o controle do vice-presidente da empresa, Jay Y. Lee, sobre o conglomerado, informou a procuradoria especial do país nesta segunda-feira, abrindo caminho para que Park seja processada caso perca o cargo em definitivo.

As descobertas da investigação de 70 dias levaram à acusação direta contra Park por várias infrações, entre elas conspiração para suborno implicando a Samsung.

Lee vai a julgamento na quinta-feira por suborno e corrupção em meio a um escândalo de corrupção que abalou a Coreia do Sul e levou o Parlamento a aprovar o impeachment da presidente.

Park, de 65 anos, teve seus poderes suspensos desde que foi afastada em dezembro. Caso a Corte Constitucional mantenha o impeachment, ela irá se tornar a primeira líder sul-coreana eleita democraticamente a ser retirada do cargo, o que desencadearia uma eleição na quarta maior economia da Ásia.

Uma decisão deve ser anunciada ainda nesta semana.

A lei sul-coreana não permite que um presidente no exercício da função seja indiciado a menos que seja acusado de traição. Nenhuma acusação formal pode ser apresentada contra Park a menos que ela seja afastada do posto ou seu mandato termine, o que aconteceria no final de fevereiro de 2018.

A perda do mandato ainda a sujeitaria a um novo inquérito de procuradores federais.

“As acusações de suborno relacionadas à presidente, e o caso da lista negra da cultura… foram transferidos para a procuradoria”, disse o procurador especial Park Young-soo em uma coletiva de imprensa televisionada.

O procurador especial também disse que a presidente foi fundamental para colocar mais de 9 mil artistas, autores e profissionais da indústria cinematográfica em uma lista negra e excluí-los da assistência governamental, o que constituiu abuso de poder.

Em um comunicado detalhando as descobertas de sua investigação, a procuradoria especial disse que o Serviço Nacional de Pensões votou a favor de uma fusão de duas filiadas do Grupo Samsung em 2015, apesar de prever um prejuízo equivalente a 119,87 milhões de dólares.

“O vice-presidente do Grupo Samsung, Lee Jae-yong, tramou com outros, incluindo o chefe do escritório de estratégia corporativa, Choi Gee-sung, para subornar a presidente e (sua amiga) Choi Soon-sil com o objetivo de receber apoio para sua sucessão desviando fundos corporativos”, disse o procurador especial Park na coletiva, usando o nome coreano do chefe da Samsung.

Park, Choi e Lee negaram qualquer ilicitude.

(Reportagem adicional de Se Young Lee)

noticiaNotícias em destaquesacusações,caso,contra,Coreia do Sul,Corte,da,prepara,presidente,ProcuradorProcurador prepara acusações contra presidente da Coreia do Sul caso corte aprove impeachment.As descobertas da investigação de 70 dias levaram à acusação direta contra Park Por Ju-min Park SEUL (Reuters) - A presidente afastada da Coreia do Sul, Park Geun-hye, se aliou com uma amiga para receber propinas do Grupo Samsung...Últimas notícias do Brasil e do Mundo