Desemprego no Brasil salta a 12,6% no tri até janeiro, com 13 milhões sem trabalho

Desemprego no Brasil salta a 12,6% no tri até janeiro, com 13 milhões sem trabalho

Pessoas buscam vagas de trabalho em uma agência de empregos no centro de São Paulo 14/03/ 2016.
Pessoas buscam vagas de trabalho em uma agência de empregos no centro de São Paulo 14/03/ 2016. REUTERS/Paulo Whitaker

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) – A taxa de desemprego do Brasil saltou a 12,6 por cento no trimestre encerrado em janeiro devido ao aumento da procura diante do cenário de recessão, com o país iniciando o ano com quase 13 milhões de pessoas sem uma colocação.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua divulgada nesta sexta-feira mostrou que a taxa avançou pela terceira vez seguida depois de ter ficado em 12 por cento no quarto trimestre, chegando mais uma vez ao maior nível da série histórica iniciada em 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número mostra os efeitos da retração econômica vivida pelo país que afeta a renda do trabalhador, principalmente quanto se compara com a taxa de 9,5 por cento de desemprego no mesmo período de 2016, sinal de que o mercado de trabalho ainda deve demorar para se recuperar

Em pesquisa da Reuters, a expectativa era de que a taxa ficaria em 12,4 por cento, na mediana das projeções.

“As pessoas estão indo procurar trabalho por uma questão clara de necessidade. É um questão de sobrevivência. Por isso a procura não para de crescer”, explicou o coordenador da pesquisa no IBGE Cimar Azeredo.

BUSCA POR POSIÇÃO

Em janeiro, eram 12,921 milhões de trabalhadores desempregados no Brasil, salto de 34,3 por cento sobre o mesmo período do ano passado, ou 3,3 milhões de pessoas a mais sem uma colocação. Nos três meses até dezembro, eram 12,342 milhões de desempregados.

O levantamento mostrou ainda aumento de 1,5 por cento no número de pessoas na força de trabalho, ou seja, aquelas que estão disponíveis para trabalhar, o que representa 1,554 milhão de trabalhadores a mais buscando uma posição.

Já a população ocupada no trimestre até janeiro teve queda de 1,9 por cento sobre o mesmo período de 2016, ou 1,748 milhão de pessoas a menos, atingindo 89,854 milhões.

O setor que mais dispensou funcionários no trimestre até janeiro sobre o ano anterior foi o da indústria, com 897 mil pessoas.

“A situação do mercado é retrato do cenário econômico. Sem crescimento engorda-se a fila do desemprego e há redução da formalidade, que é um passaporte para o crédito e para o consumo”, completou Azeredo. “Para sobreviverem, as empresas precisam cortar custos e aumentar a informalidade.”

O IBGE informou ainda que a renda média do trabalhador teve ligeiro avanço no período, subindo 0,4 por cento sobre o ano anterior, para 2.056 reais.

As perspectivas de melhor crescimento econômico do Brasil vêm ganhando corpo neste início de 2017, ainda que o mercado de trabalho seja um dos últimos a responder.

PF lança nova fase da Lava Jato com dois mandados de prisão preventiva no Rio

PF lança nova fase da Lava Jato com dois mandados de prisão preventiva no Rio

Agente da Polícia Federal visto durante operação no Rio de Janeiro. 30/01/2017  REUTERS/Ueslei Marcelino
PF lança nova fase da Lava Jato com dois mandados de prisão preventiva no Rio
Agente da Polícia Federal visto durante operação no Rio de Janeiro. 30/01/2017

SÃO PAULO (Reuters) – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira uma nova fase da operação Lava Jato, batizada de Blackout, e está cumprindo 15 mandados de busca e apreensão e dois de prisão preventiva no Rio de Janeiro, informou a PF em nota.

“Os investigados responderão pela prática dos crimes de corrupção, fraude em licitações, evasão de divisas, lavagem de dinheiro dentre outros”, informou a PF em nota.

“A ação policial tem como alvo principal a atuação de operadores financeiros identificados como facilitadores na movimentação de recursos indevidos pagos a integrantes das diretorias da Petrobras.”

De acordo com a Globonews, os dois alvos de mandados de prisão são Bruno Luz e Jorge Luz, que seriam operadores financeiros do esquema de corrupção na estatal.

“O nome da fase (Blackout) é uma referência ao sobrenome de dois dos operadores financeiros do esquema criminoso existente no âmbito da empresa Petrobras. A simbologia do nome tem por objetivo demonstrar a interrupção definitiva da atuação destes investigados como representantes deste poderoso esquema de corrupção”, disse a PF.

(Por Eduardo Simões)

Exclusivo: China termina edifícios do Mar da China Meridional que poderiam abrigar mísseis

Exclusivo: China termina edifícios do Mar da China Meridional que poderiam abrigar mísseis – funcionários dos EUA

As embarcações chinesas de dragagem são supostamente vistas nas águas ao redor de Mischief
As embarcações chinesas de dragagem são supostamente vistas nas águas ao redor de Mischief Reef nas disputadas Spratly Islands no Mar da China Meridional nesta imagem fixa tirada por um avião de vigilância P-8A Poseidon fornecido pela Marinha dos Estados Unidos 21 de maio de 2015 -benzóico.

Por Idrees Ali

WASHINGTON – A China, em um teste inicial do presidente dos EUA, Donald Trump, quase terminou de construir quase duas dezenas de estruturas em ilhas artificiais no Mar da China Meridional que parecem projetadas para abrigar mísseis de longo alcance de superfície para ar, disseram dois funcionários dos EUA à Reuters.

O desenvolvimento é susceptível de levantar questões sobre se e como os Estados Unidos vão responder, tendo em conta os seus votos de tomar uma linha dura sobre a China no Mar da China Meridional.

A China reivindica quase todas as águas, que transportam um terço do tráfego marítimo mundial. Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também têm reivindicações. A administração de Trump chamou ilegal a construção de ilhas da China no Mar da China Meridional.

Construir as estruturas de concreto com tetos retrátil nos recifes de Subi, Mischief e Fiery Cross, parte da cadeia de Spratly Islands, onde a China já construiu pistas de pouso de comprimento militar, pode ser considerado uma escalada militar, disseram autoridades nos últimos dias, Do anonimato.

“Não é como os chineses construir nada no Mar da China Meridional apenas para construí-lo, e essas estruturas se assemelham a outras que abrigam as baterias SAM, então a conclusão lógica é de que é para isso”, disse um oficial de inteligência dos EUA, Mísseis superfície-ar.

Outro funcionário disse que as estruturas parecem ser 20 metros (66 pés) de comprimento e 10 metros (33 pés) de altura.

Um porta-voz do Pentágono disse que os Estados Unidos continuam comprometidos com a “não-militarização no Mar da China Meridional” e instou todos os demandantes a tomarem medidas consistentes com o direito internacional.

Em Pequim, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, disse na quarta-feira que estava ciente do relatório, mas não disse se a China estava planejando colocar mísseis nos recifes.

“A China que realiza atividades normais de construção em seu próprio território, incluindo a implantação de instalações de defesa territorial necessárias e apropriadas, é um direito normal sob o direito internacional para nações soberanas”, disse ele a repórteres.

Em sua audiência de confirmação do Senado no mês passado, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, levantou a ira da China quando disse que Pequim deveria ter acesso às ilhas que está construindo no Mar da China Meridional.

Tillerson subseqüentemente suavizou sua língua, e Trump reduziu ainda mais tensões prometendo honrar a política de “uma China” de longa data de EU em um telefonema de fevereiro 10 com presidente chinês Xi Jinping.

GAMA MAIS LONGA

Greg Poling, especialista do Mar da China Meridional no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington, disse em um relatório de dezembro que a China aparentemente instalou armas, incluindo sistemas antiaéreos e anti-mísseis, em todas as sete ilhas que construiu No Mar da China Meridional.

Os oficiais disseram que as estruturas novas estavam prováveis ​​abrigar mísseis terra-ar que expandiriam o guarda-chuva de China da defesa aérea sobre as ilhas. Eles não deram uma linha de tempo quando acreditavam que a China iria implantar mísseis nas ilhas.

“Isso certamente aumenta a tensão”, disse Poling. “Os chineses ficaram bons nesses aumentos constantes em suas capacidades.”

Na terça-feira, as Filipinas disseram que os países do Sudeste Asiático consideraram a instalação de armas da China no Mar da China Meridional como “muito inquietante” e pediram diálogo para impedir uma escalada de “desenvolvimentos recentes”.

O ministro filipino das Relações Exteriores, Perfecto Yasay, não disse o que provocou a preocupação, mas disse que a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), de 10 membros, espera que a China e os Estados Unidos garantam a paz ea estabilidade.

TESTE POLÍTICO

O oficial de inteligência dos EUA disse que as estruturas não representam uma ameaça militar significativa para as forças dos EUA na região, dada a sua visibilidade e vulnerabilidade.

Construí-los parecia ser mais um teste político de como o governo Trump iria reagir, disse ele.

“A resposta lógica também seria política – algo que não deve levar à escalada militar em uma área estratégica vital”, disse o funcionário.

Chas Freeman, especialista em China e ex-secretário-assistente de defesa, disse que estava inclinado a ver tais instalações como tendo um propósito militar – reforçando as reivindicações da China contra as de outras nações – em vez de um sinal político para os Estados Unidos.

“Há uma tendência aqui em Washington de imaginar que é tudo sobre nós, mas não somos um reclamante no Mar da China Meridional”, disse Freeman. “Nós não vamos desafiar a posse da China de nenhum desses recursos da terra em meu julgamento.Se isso vai acontecer, vai ser feito pelos vietnamitas, ou … os filipinos … ou os malaios, que são os Três contra-reivindicadores de nota. ”

Ele disse que foi um “infeliz, mas não (um) desenvolvimento imprevisível”.

Tillerson disse ao Comitê de Relações Exteriores do Senado, no mês passado, que a construção de ilhas pela China e a colocação de ativos militares sobre eles era “semelhante à tomada pela Rússia da Criméia” da Ucrânia.

Em suas respostas escritas a perguntas de acompanhamento, ele suavizou sua linguagem, dizendo que, no caso de uma “contingência” não especificada, os Estados Unidos e seus aliados “devem ser capazes de limitar o acesso e o uso da China de” uma ameaça.

(Reportagem de Idrees Ali), Reportagem adicional de Arshad Mohammed Arshad, David Brunnstrom e John Walcott e Ben Blanchard em Pequim, edição de John Walcott, Peter Cooney e Nick Macfie)

Temer manda suspender autorização para importação de café robusta

Temer manda suspender autorização para importação de café robusta

Temer manda suspender autorização para importação de café robusta
Temer ordenou a suspensão das autorizações que haviam sido publicadas no Diário Oficial da União

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Michel Temer ordenou a suspensão das autorizações que haviam sido publicadas no Diário Oficial da União nesta semana para a importação de café robusta pelo Brasil, informou nesta quarta-feira a Secretaria de Governo da Presidência.

A decisão foi tomada na noite de terça-feira, após uma reunião de dezenas de deputados federais, ligados a cafeicultores, com o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy.

Por orientação do Ministério da Agricultura, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) havia liberado a inédita importação de café robusta no Brasil, em um momento em que indústrias reclamam de forte escassez do produto.

(Por Lisandra Paraguassu)

CCJ do Senado inicia reunião para realizar sabatina de Alexandre de Moraes para STF

CCJ do Senado inicia reunião para realizar sabatina de Alexandre de Moraes para STF

 Justice Minister Alexandre de Moraes is pictured at the Public Defense headquarters in Manaus, Brazil January
Justice Minister Alexandre de Moraes is pictured at the Public Defense headquarters in Manaus, Brazil January 3, 2017. REUTERS/Ueslei Marcelino
CCJ do Senado inicia reunião para realizar sabatina de Alexandre de Moraes para STF

CCJ do Senado inicia reunião para realizar sabatina de Alexandre de Moraes para STF

BRASÍLIA (Reuters) – A Comissão de Constituição e Justiça do Senado iniciou na manhã desta terça-feira a reunião destinada a promover sabatina do ministro licenciado da Justiça, Alexandre de Moraes, para o Supremo Tribunal Federal (STF), em meio a tentativas da oposição para postergar a análise do nome.

Moraes foi indicado para a Suprema Corte pelo presidente Michel Temer após a morte do ministro Teori Zavascki em queda de avião no mês passado. Ele precisa ser sabatinado pela CCJ, que votará sua indicação, antes de ser submetido ao plenário do Senado.

Logo no início da reunião, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou questão de ordem pedindo o adiamento da sabatina do indicado, por ter supostamente omitido as atividades no ramo da advocacia da esposa.

Para o senador da oposição, Moraes teria deixado de declarar a atuação da esposa, que figura como sócia coordenadora de escritório de advocacia que atua em áreas como contenciosos administrativos, licitações, governança coorporativa, e licitações, entre outros.

“Obviamente são áreas de atuação que têm tudo a ver com a atividade atual do nosso sabatinado”, disse Randolfe. “No meu entender, fica clara a ocultação de uma informação fundamental”, disse o senador, pedindo tempo para que possa ser feita uma retificação no relatório sobre a indicação de Moraes.

O líder do governo no Senado, Aloysio Nunes (PSDB-SP), argumentou, no entanto, que a regra determina que sejam declarados os parentes do indicado que exerçam atividades públicas ou privadas “vinculadas” à atividade profissional, dando ênfase a esta condição. O argumento foi reforçado pelo relator da indicação, Eduardo Braga (PMDB-AM).

Após isso o presidente da CCJ, Edison Lobão (PMDB-MA), rejeitou a questão de ordem, apoiado em votação simbólica pelo plenário da comissão.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

O nome do indicado será submetido à sabatina e votação na CCJ e ainda precisará ser submetido ao plenário do Senado.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Pezão deve recorrer de cassação ao TRE antes de partir para o TSE

Pezão deve recorrer de cassação ao TRE antes de partir para o TSE

Pezão e o vice, Francisco Dornelles (PP), foram condenados por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2014
Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB). 13/02/2017. REUTERS/Adriano Machado.
Pezão deve recorrer de cassação ao TRE antes de partir para o TSE.

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), vai tentar recorrer da cassação de seu mandato no próprio Tribunal Regional Eleitoral (TRE), e caso sofra nova derrota apresentará recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Já estou acostumado com esse tipo de manobra e tenho certeza que não cometi nenhuma ilegalidade”, disse Pezão à Reuters. “Estou confiante que vou mostrar isso.”

O governador tem três dias para recorrer, com a publicação da decisão do TRE no Diário de Justiça do Rio de Janeiro nesta segunda-feira.

Pezão e o vice, Francisco Dornelles (PP), foram condenados por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2014, com o TRE decidindo pela cassação dos direitos políticos de ambos por oito anos.

Em outra frente, dois pedidos de impeachment já foram protocolados na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro contra o governador. Um dos pedidos foi feito pelo PSOL e outro por servidores da área médica do Estado.

Eles acusam Pezão de crime de responsabilidade e usam como base um relatório fiscal do Estado que mostrou que o Rio de Janeiro não gastou o mínimo previsto em lei com a área da saúde e superou o teto de gastos com o funcionalismo estadual, desrespeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal.

“A hora agora é de tentar resolver a crise, colocar os salários em dia, retomar os serviços e dar tranquilidade à população”, disse o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), ao afirmar que não há prazo para analisar os pedidos.

“Só vou tratar isso mais para frente, quando estivermos mais nítido se com as medidas vai dar ou não para tirar o Estado da crise”, acrescentou.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Após captar R$4 bi, CCR põe em dúvida participar em leilão de aeroportos

Após captar R$4 bi, CCR põe em dúvida participar em leilão de aeroportos

Após captar R$4 bi, CCR põe em dúvida participar em leilão de aeroportos
A CCR pode não participar do leilão de aeroportos previsto para o mês que vem devido a problemas nos projetos que criam muitos riscos para os negócios

SÃO PAULO (Reuters) – A CCR pode não participar do leilão de aeroportos previsto para o mês que vem devido a problemas nos projetos que criam muitos riscos para os negócios, disseram executivos da companhia nesta segunda-feira.

“O desenho das licitações foi feito em 2015, quando as premissas econômicas eram totalmente diferentes, então as taxas de retorno estão desatualizadas”, disse à Reuters o diretor de novos negócios da CCR, Leonardo Vianna.

No próximo dia 15 de março, o governo federal deve leiloar a concessão dos aeroportos de Fortaleza (CE), Salvador (BA), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS).

Em entrevista à Reuters em novembro, o presidente da CCR, Renato Vale, havia dito que a empresa se interessava pelos terminais de Fortaleza e de Salvador, por causa das rotas internacionais.

No entanto, afirmou Vianna, mesmo nesses dois há problemas importantes que podem diminuir o interesse da CCR pelo leilão.

“O aeroporto de Salvador tem um grande problema, que é a segunda pista, que precisa de aprovação ambiental”, disse Vianna. A concessão do terminal prevê a construção de uma segunda pista, que fica numa área protegida por um parque ambiental, na região de Dunas do Abaeté.

“Ainda não decidimos se vamos participar”, disse o executivo, ressalvando que a CCR tem mantido conversas com um operador internacional sobre eventual montagem de um consórcio para a disputa.

As declarações do executivo surgem logo após a CCR ter concluído uma emissão restrita de novas ações na semana passada, com a qual levantou 4 bilhões de reais.

O objetivo da operação foi justamente o de aumentar o poder da companhia, tanto para participar da disputa por concessões de aeroportos, rodovias e obras de mobilidade urbana, mas também para comprar participações de concorrentes, disse o gerente de relações com investidores da CCR, Marcus Vinícius Macedo.

Segundo ele, os novos recursos serão majoritariamente investidos no Brasil, senão tudo.

“Há muitas oportunidades no mercado secundário”, afirmou Macedo, referindo-se a empresas de infraestrutura enfraquecidas financeiramente, especialmente as que têm sido alvo das investigações da operação Lava Jato.

(Por Aluisio Alves)

Alerj aprova texto-base da privatização da Cedae; destaques serão apreciados na 3ª

Alerj aprova texto-base da privatização da Cedae; destaques serão apreciados na 3ª.As mais de 200 emendas apresentadas pelos deputados foram agrupadas em 16 destaques que serão discutidos e apreciados em nova sessão nesta terça-feira.
Manifestantes protestam contra plano de austeridade do Rio de Janeiro, 09/02/2017. REUTERS/Ricardo Moraes
Manifestantes protestam contra plano de austeridade do Rio de Janeiro, 09/02/2017. REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) – O texto-base do projeto de privatização da Cedae, companhia de abastecimento e saneamento do Estado do Rio de Janeiro, foi aprovado nesta segunda-feira pela Assembleia Legislativa do Estado por 41 votos a favor e 28 contrários.

“A base está muito unida para votar contra os destaques. Essa aprovação de hoje é o início do resgate que o Rio de Janeiro precisa. Começamos a frear a crise”, disse o líder da bancada do governo, Edson Albertassi (PMDB).

A venda da Cedae é uma das principais garantias que o governo estadual assumiu quando fechou, com o governo federal, termo de compromisso para sanar déficit fiscal de 62,4 bilhões de reais previsto até 2019, mas com medidas que dependem do sinal verde de parlamentares.

Apenas para 2017, o déficit estimado para o Rio de Janeiro é de 26 bilhões de reais. Para cobri-lo, o plano inclui garantia da União para empréstimos de 6 bilhões de reais, tendo como contragarantia a privatização da Cedae, estimada em 3 bilhões de reais, e fluxos futuros de royalties de igual montante.

Assim que o projeto de privatização for publicado no Diário Oficial do Rio de Janeiro, há prazo de 6 meses para definir a modelagem de venda da Cedae.

Do lado de fora do prédio da Alerj, funcionários da empresa e servidores protestaram contra a privatização. Inconformados com o processo, funcionários da Cedae entraram em greve nessa segunda-feira, ameaçando afetar o fornecimento de água nos mais de 60 municípios atendidas pela empresa em todo o Estado nesta época de carnaval.

Deputados da base governista afirmaram ainda que o aumento da contribuição previdenciária, outro item do acordo de ajuste fiscal com o governo federal, só será votado após o Estado receber os 3,5 bilhões de reais dos bancos públicos.

“Estamos dando a garantia que é Cedae e agora esperamos os recursos”, disse o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB).

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Reforma da Previdência não pode ter mesmo ritmo de tramitação de teto dos gastos

Reforma da Previdência não pode ter mesmo ritmo de tramitação de teto dos gastos, diz Maia ao Valor

Reforma da Previdência não pode ter mesmo ritmo de tramitação de teto dos gastos, diz Maia ao Valor
O governo do presidente Michel Temer precisa ter o cuidado de não buscar que a reforma da Previdência

(Reuters) – O governo do presidente Michel Temer precisa ter o cuidado de não buscar que a reforma da Previdência tenha a mesma velocidade de tramitação da proposta que estabeleceu um teto para os gastos públicos, disse o presidente da Câmara dos Deputados em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta segunda-feira.

Maia disse ao jornal que expressou essa avaliação ao ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, e disse que tem ouvido que o governo está disposto a negociar pontos da reforma. Ele afirmou ainda que a reforma tem de ser aprovada no primeiro semestre e disse esperar chegar no final de março com a proposta pronta para votação na comissão especial e, em seguida, no plenário.

O presidente da Câmara também disse que colocará em votação uma proposta de regulamentação da terceirização que está parada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa. De acordo com o parlamentar, essa proposta permite “terceirizar tudo” e assim que aprovada iria direto para sanção de Temer.

Sede da PF em Curitiba tem início de incêndio na madrugada, Lava Jato não é afetada

Sede da PF em Curitiba tem início de incêndio na madrugada, Lava Jato não é afetada

PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador.
PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador.
Agente da Polícia Federal visto durante operação no Rio de Janeiro. 30/01/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

SÃO PAULO (Reuters) – A sede da Polícia Federal em Curitiba teve um princípio de incêndio na madrugada desta segunda-feira, mas o fogo foi rapidamente controlado e não houve impacto sobre os trabalhos da operação Lava Jato ou sobre os presos que estão detidos na carceragem do local, informou a PF.

Em nota, a Polícia Federal que o princípio de incêndio aconteceu em uma sala no subsolo da superintendência da PF na capital paranaense, onde estão presos alguns dos envolvidos na Lava Jato, como o ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht.

“Ressaltamos que o início de fogo foi controlado rapidamente, que não houve qualquer prejuízo aos custodiados, assim como aos trabalhos relativos à Operação Lava Jato”, afirmou a PF em nota.

“Peritos da PF já trabalham para levantar as causas e em virtude disso não haverá expediente no dia de hoje”, acrescentou o comunicado.

A PF em Curitiba concentra os trabalhos de investigação da Lava Jato e tem sido responsável também pelos indiciamentos de acusados que geram denúncias do Ministério Público Federal à Justiça.

(Reportagem de Eduardo Simões)

ESPECIAL-Nordeste corre contra o tempo para salvar cidades assoladas pela seca

ESPECIAL-Nordeste corre contra o tempo para salvar cidades assoladas pela seca

Nordeste corre contra o tempo para salvar cidades assoladas pela seca
Menino Natan Cabral, de 5 anos, em terra rachada do reservatório do Boqueirão, na região metropolitana de Campina Grande. 13/2/2017. REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Anthony Boadle

CAMPINA GRANDE (Reuters) – Carcaças de vacas jazem em campos chamuscados nos arredores da cidade de Campina Grande, na Paraíba, e cabras famintas procuram comida no chão de terra rachada do reservatório de Boqueirão, que serve a cidade desesperada por água.

Depois de cinco anos de seca, o agricultor Edivaldo Brito diz que não consegue se lembrar quando o reservatório do Boqueirão esteve cheio. Mas ele nunca o viu tão vazio.

“Perdemos tudo: bananas, feijões, batatas”, afirmou Brito. “Temos que caminhar 3 quilômetros apenas para lavar a roupa.”

O Nordeste árido do país está enfrentando sua pior seca que se tem registro, e Campina Grande, que tem 400 mil habitantes que dependem do reservatório, está ficando sem água.

Após dois anos de racionamento, os moradores reclamam que a água do reservatório está suja, malcheirosa e imbebível. Aqueles com mais condições podem comprar água engarrafada para cozinhar, escovar os dentes e até mesmo dar aos seus animais de estimação.

O reservatório está com 4 por cento da capacidade e as chuvas devem ser escassas este ano.

“Se não houver recarga natural de chuva ou artificial com a transposição, a cidade vai entrar em colapso hídrico no máximo no meio deste ano”, afirma Janiro Costa Rêgo, especialista em recursos hídricos e professor da universidade federal de Campina Grande. “Seria um holocausto total, você teria que evacuar a cidade sem água.”

O governo federal diz que ajuda está a caminho.

TRANSPOSIÇÃO DO SÃO FRANCISCO

Depois de décadas de promessas e anos de atrasos, o governo afirma que a transposição do maior rio brasileiro, o São Francisco, logo aliviará Campina Grande e fazendeiros desesperados em quatro Estados do Nordeste.

A água será bombeada sobre colinas e através de 400 quilômetros de canais e vazado em bacias hidrográficas secas do Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Paraíba.

Iniciado em 2005 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o projeto foi adiado por disputas políticas, corrupção e custos excedentes de bilhões de reais.

A recessão no Brasil, que os economistas calculam ter reduzido a economia do Nordeste em mais de 4 por cento durante cada um dos últimos dois anos, deixou a situação pior.

Agora, o presidente Michel Temer está acelerando a conclusão do projeto, talvez sua melhor oportunidade para aumentar o apoio ao seu impopular governo em uma região há muito tempo dominada por Lula e pelo PT.

Em 6 de março, Temer planeja abrir um canal que alimente o reservatório de Campina Grande na cidade paraibana de Monteiro. A água ainda levará entre um mês e dois para descer o leito seco do rio Paraíba até o Boqueirão.

Com a qualidade da água em Campina Grande piorando a cada dia, é uma corrida contra o tempo.

O professor Costa Rêgo diz que a água do reservatório se tornará intratável em março e poderia prejudicar os moradores que não têm recursos para comprar água engarrafada.

O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, responsável pelo projeto, afirma que o governo está confiante que a água chegará dentro do cronograma.

“Sob âmbito do volume, nós chegaríamos a um colapso absoluto em Campina Grande por volta de setembro. Nós temos que entregar a água em abril de qualquer forma. Nossos calendários são extremamente ajustados”, declarou ele.

A seca que assola lavouras do Nordeste tem impacto menor na produção brasileira de grãos e cana-de-açúcar, uma vez que a maior parte da safra nacional está localizada no centro-sul do país.

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

A mudança climática intensificou as secas no Nordeste brasileiro nos últimos 30 anos, segundo Eduardo Martins, presidente do Funceme, agência meteorológica do Estado do Ceará.

A precipitação diminuiu e as temperaturas subiram, aumentando a demanda por irrigação agrícola. O abastecimento de água caiu e a evaporação acelerou.

Costa Rêgo culpa a falta de gestão dos governos brasileiros pelas crises de água persistentes e repetidas, chocante para um país que possui as maiores reservas de água doce do planeta.

O principal reservatório que abastece São Paulo, com uma região metropolitana de 20 milhões de habitantes, praticamente secou em 2015. Já a cidade de Brasília recorreu ao racionamento este ano.

Em Fortaleza, segunda maior cidade do Nordeste, o reservatório vital de Castanhão está com 5 por cento de sua capacidade.

A capital do Ceará também receberá água do projeto São Francisco, mas ela não chegará pelo menos até o fim do ano, porque a empreiteira Mendes Júnior abandonou o trabalho ao ser envolvida em um grande escândalo de corrupção.

“A água do rio São Francisco é fundamental para permitir a recarga de Castanhão”, disse o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), à Reuters. Segundo ele, o reservatório pode abastecer o Ceará somente até agosto.

Depois disso, o Estado precisará perfurar poços de emergência, aproveitar mananciais e impor uma redução obrigatória de 20 por cento no consumo para manter as torneiras de Fortaleza funcionando até que a água chegue.

Sete empresas fizeram propostas para a licitação do trecho que era da Mendes Júnior. A obra deverá recomeçar em março e a água poderá chegar a Castanhão em outubro ou novembro, diz Santana.

RACIONAMENTO

O Ceará teve que reduzir a irrigação, prejudicando os exportadores de flores e melões, os pecuaristas e os produtores de leite. Eles esperam a recuperação da atividade após a transposição, mas matar a sede das cidades será prioridade.

Em Campina Grande, em um centro têxtil, incluindo empresas como Coteminas e Alpargatas, o racionamento reduziu os planos de expansão das companhias, que tiveram que diminuir drasticamente o consumo e reciclar a água que utilizam.

Lá, também, a água nova primeiramente irá para resolver a crise em Campina Grande e cidades vizinhas. Apenas depois as autoridades vão pensar na agricultura.

“Primeiro temos que matar a sede dos consumidores urbanos. Só então vamos pensar em produzir riqueza”, afirmou João Fernandes da Silva, o principal responsável pela gestão da água na Paraíba.

O racionamento tem afetado particularmente as famílias urbanas mais pobres. Muitos não têm água corrente ou tanques de água e, em vez disso, guardam água em garrafas de plástico.

Para aqueles que esperaram décadas pela transposição do São Francisco, eles só vão acreditar quando virem o fluxo de água.

Brito disse que ele e seus vizinhos sobrevivem graças a programas sociais que foram a marca registrada do PT.

“Sem o programa Bolsa Família, estaríamos morrendo de fome”, afirmou Brito, que acredita que a escassez pode persistir mesmo após a transposição do rio. “É temporada política novamente, então eles nos prometem água apenas para ganhar os nossos votos.”

(Reportagem adicional de Ueslei Marcelino e Sergio Queiroz)

Morgan Stanley, principal estrategista de ações dos EUA, adere ao hedge fund

O estrategista-chefe de ações da Morgan Stanley, Adam Parker, está saindo da empresa, de acordo com uma nota interna da empresa na terça-feira, vista pela Reuters.

Parker está se juntando ao fundo de hedge Eminence Capital como seu diretor de estratégia quantitativa, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto que se recusou a ser identificado porque o assunto era privado.

Parker também tinha atuado como diretor de pesquisa quantitativa enquanto no Morgan Stanley.

Mike Wilson, diretor de investimentos da Morgan Stanley no gerenciamento de patrimônio, assumirá um papel mais amplo, que inclui as responsabilidades da Parker e também como diretor de investimentos de títulos institucionais.

Wilson se juntou a Morgan Stanley em 1989 como um banqueiro de investimento e ocupou vários cargos, incluindo chefe de distribuição de conteúdo. Em 2012, foi nomeado diretor de investimentos da administração de patrimônio.

Um porta-voz do Morgan Stanley confirmou o conteúdo do memorando. Parker não pôde ser contatado imediatamente para comentar

(Edição por Jeffrey Benkoe)

PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador

PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador

PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador.
PF cumpre mandados da Lava Jato contra filho de Lobão e ex-senador.
Agente da Polícia Federal visto durante operação no Rio de Janeiro. 30/01/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – A Polícia Federal cumpre nesta quinta-feira mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em investigação ligada à Lava Jato contra Marcio Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA), e o ex-senador Luiz Otávio Campos (PMDB-PA), disse uma fonte com conhecimento da operação.

Em nota divulgada mais cedo a PF informou que a operação, batizada de Leviatã e autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, apura o pagamento de propinas a dois partidos políticos nas obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.

A Polícia Federal não informou os nomes dos alvos da operação, pois o caso tramita em segredo de Justiça.

Os mandados estão sendo executados no Rio de Janeiro, Belém e Brasília nas residências e nos escritórios de trabalho dos investigados, disse a PF.

Edson Lobão foi recentemente eleito presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O colegiado é responsável por sabatinar indicados ao STF, caso do ministro licenciado da Justiça Alexandre de Moraes, e os nomeados para chefiar a Procuradoria-Geral da República, responsável por pedir aberturas de inquéritos e oferecer denúncias contra parlamentares.

“Entre os alvos da operação de hoje estão os principais envolvidos no esquema de repasse de valores aos agentes políticos, que seriam o filho de um senador da República e um ex-senador ligado ao mesmo grupo político”, disse a Polícia Federal.

“Os investigados, na medida de suas participações, poderão responder pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.”

Como relator da Lava Jato no Supremo, cabe a Fachin autorizar operações contra parlamentares e ministros, que têm prerrogativa de foro junto ao STF.

(Texto de Eduardo Simões)

Avaliação sobre Temer piora; Lula lidera cenários de 2018 e Bolsonaro cresce, diz CNT/MDA

Avaliação sobre Temer piora; Lula lidera cenários de 2018 e Bolsonaro cresce, diz CNT/MDA

Temer no Plana
Temer no Planalto13/2/2017 REUTERS/Adriano Machado

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) – A avaliação do governo do presidente Michel Temer piorou em fevereiro na comparação com outubro, mostrou nesta quarta-feira pesquisa CNT/MDA, que também apontou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva liderando as simulações para as eleições de 2018 e indicou o crescimento do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Em um momento em que o país se esforça para superar a profunda recessão que tem gerado recordes de desemprego e também convive com as frequentes menções de políticos, muitos deles ligados ao governo, em delações da operação Lava Jato, a avaliação positiva da gestão Temer –a soma dos que o consideram ótimo ou bom– caiu para 10,3 por cento.

Em outubro, pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte mostrava avaliação positiva para 14,6 por cento.

Agora, os que acham o governo ruim ou péssimo passaram a 44,1 por cento, ante 36,7 por cento no levantamento anterior. A avaliação regular foi para 38,9 por cento, ante 36,1 por cento. A parcela dos que não tinham opinião ou não quiseram responder recuou para 6,7 por cento, ante 12,6 por cento.

A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

O desempenho pessoal de Temer foi aprovado agora por 24,4 por cento, ante 31,7 por cento em outubro, enquanto a desaprovação foi para 62,4 por cento, ante 51,4 por cento.

ELEIÇÕES 2018

O MDA também fez simulações para a eleição presidencial do ano que vem e Lula lidera em todos os cenários em que aparece –tanto de primeiro quanto de segundo turno–, assim como na pesquisa espontânea. Bolsonaro, por sua vez, cresceu em relação ao levantamento anterior e se consolidou na segunda posição na pesquisa espontânea.

“A pesquisa mostra que o cenário eleitoral ainda permanece indefinido, com elevado percentual de eleitores indecisos ou que votariam em branco ou nulo, o que favorece o surgimento de novas lideranças políticas e de propostas”, afirmou a CNT em nota sobre a pesquisa.

No levantamento espontâneo, quando os entrevistados são questionados em quem votariam sem receber uma lista de possíveis candidatos, Lula, que é réu em cinco ações na Justiça, três delas ligadas à Lava Jato, aparece com 16,6 por cento das intenções de voto, ante 11,4 por cento em outubro.

Bolsonaro, conhecida por polêmicas como a defesa de militares acusados de tortura durante o regime militar e a afirmação de que não estupraria uma colega deputada porque ela não merecia, ficou com 6,5 por cento das intenções de voto, ante 3,3 por cento em outubro.

Nas simulações estimuladas, quando os entrevistados recebem uma lista de possíveis candidatos, Bolsonaro também registrou crescimento nas intenções de voto em primeiro turno, ficando em terceiro ou quarto lugar, mas sempre em empate técnico com o segundo colocado. O deputado não foi incluído em nenhuma simulação de segundo turno.

As simulações de primeiro turno mostram uma larga vantagem de Lula e uma disputa muito acirrada pelo segundo lugar entre três nomes: Bolsonaro, a ex-senadora e ex-ministra Marina Silva e um tucano.

Marina aparece numericamente na segunda posição em todos os cenários da pesquisa estimulada de primeiro turno e o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), é o tucano melhor colocado.

Ainda de acordo com a pesquisa, 71,8 por cento dos entrevistados percebem um aumento no combate à corrupção no país e a esmagadora maioria, 91 por cento, não acredita haver algum partido político no Brasil livre de corrupção.

O percentual dos que já ouviram falar da Lava Jato teve pequena oscilação negativa, passando a 89,3 por cento, ante 89,9 por cento em outubro.

Foram ouvidas 2.002 pessoas em 138 municípios do país, entre os dias 8 e 11 de fevereiro.

Economistas começam a ver melhor crescimento do Brasil em 2017

Economistas começam a ver melhor crescimento do Brasil em 2017 e descartam risco de recessão

Economistas começam a ver melhor crescimento do Brasil em 2017 e descartam risco de recessão
Economistas começam a ver melhor crescimento do Brasil em 2017 e descartam risco de recessão

SÃO PAULO (Reuters) – Com boas surpresas vindas da inflação, que tem desacelerado mais do que o esperado recentemente e alimentado expectativas de cortes mais agressivos de juros, as perspectivas de melhor crescimento econômico do Brasil vêm ganhando corpo neste início de 2017, com bancos e consultorias já descartando risco de mais um ano de recessão.

A melhora do cenário marca uma inversão do ambiente mais pessimista que prevaleceu até meados de dezembro, com projeções de que o Produto Interno Bruto (PIB) do país pode crescer até 1 por cento neste ano, também em meio à melhora da confiança.

“Seguimos acreditando que a combinação de maior confiança, menor taxa de juros e avanço nas reformas deve confirmar que a recessão ficou para trás”, resumiu o economista do banco BNP Paribas no Brasil, Gustavo Arruda, para quem o PIB brasileiro vai crescer 1 por cento em 2017.

Os últimos dados de inflação têm surpreendido positivamente, e parte dos analistas já estima que ela pode ficar abaixo do centro da meta do governo –de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de 1,5 ponto percentual. Dessa forma, se o BC acelerar o processo de redução da Selic, pode gerar alívio no endividamento de famílias e na alavancagem de empresas, ajudando na retomada.

Hoje, a taxa básica de juros está em 13 por cento ao ano, depois de duas quedas seguidas de 0,25 ponto percentual cada e uma de 0,75 ponto. A expectativa dos agentes econômicos é de que, no mínimo, o BC mantenha o atual ritmo de corte, o que levará a taxa para abaixo de dois dígitos, barateando os empréstimos para consumo e investimentos.

“O efeito favorável de menor inflação sobre o crescimento da massa salarial real e, consequentemente, sobre o consumo das famílias e o impacto positivo do declínio dos juros sobre os investimentos explicam a expectativa de maior crescimento”, justificou o banco Credit Suisse ao elevar a projeção para o PIB deste ano a 0,2 por cento, ante estagnação.

Dentro do governo, o cenário mais otimista também começou a ganhar corpo recentemente, com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, desistindo da ideia de reduzir agora a previsão oficial de crescimento de 1 por cento para este ano.

Do final de 2016 para cá, os indicadores de confiança voltaram a mostrar recuperação importante em todos os segmentos, passando pela indústria e construção até consumidores. Esse movimento também ajudou no processo, até agora inicial, de melhora das perspectivas econômicas em geral.

MPF denuncia Sérgio Cabral por mais 184 crimes de lavagem de dinheiro

MPF denuncia Sérgio Cabral por mais 184 crimes de lavagem de dinheiro
Ex-governador do Rio está preso e já é réu por outros crimes relacionados à Operação Lava Jato no Rio. Além de Cabral, outros 10 foram denunciados.

MPF denuncia Sérgio Cabral por mais 184 crimes de lavagem de dinheiro
O MPF diz que os doleiros e irmãos Marcelo e Renato Chebar faziam parte da organização como operadores financeiros. A denúncia trata da lavagem de R$ 39.757.947,69 praticadas no Brasil.

Ministério Público Federal no Rio (MPF-RJ) denunciou à 7ª Vara Federal o ex-governador Sérgio Cabral por 184 crimes de lavagem de dinheiro. Ele e outras dez pessoas são acusadas de lavar mais de R$ 39 milhões. As investigações apresentadas ao juiz Marcelo Bretas são resultantes das operações Calicute e Eficiência, desdobramentos da força-tarefa da Lava Jato no Rio.

Se o juiz aceitar a denúncia desta terça, Sérgio Cabral se tornará réu pela quarta vez. Preso em Bagu, o ex-governador já responde a dois processos na 7ª Vara Federal do Rio e a um na 13ª Vara Federal de Curitiba, que tem o juiz Sérgio Moro como responsável. O mais recente deles tinha sido aberto na última sexta-feira (10).

As informações sobre a nova denúncia foram divulgadas nesta terça-feira (14) pela assessoria de imprensa do MPF. Além de Cabral, também foram acusados por crimes de lavagem de dinheiro:
Carlos Miranda, operador do esquema: 147 crimes
Carlos Bezerra, operador: 97 crimes
Sérgio Castro de Oliveira, operador: 6 crimes
Ary Ferreira da Costa Filho, ex-assessor de Cabral: 2 crimes
Adriana Ancelmo, mulher de Cabral: 7 crimes
Thiago de Aragão Gonçalves, sócio de Adriana: 7 crimes
Francisco de Assis Neto, publicitário: 29 crimes
Álvaro José Galliez Novis, operador: 32 crimes
Marcelo Hasson Chebar, operador financeiro e agora delator da investigação
Renato Hasson Chebar, operador e delator da investigação
O MPF diz que os doleiros e irmãos Marcelo e Renato Chebar faziam parte da organização como operadores financeiros. A denúncia trata da lavagem de R$ 39.757.947,69 praticadas no Brasil.

Sérgio de Oliveira, Thiago de Aragão, Francisco de Assis e Álvaro Novis também foram denunciados por integrarem a organização criminosa que seria liderada pelo ex-governador. O G1 não conseguiu contato com as defesas dos denunciados.
Cabral está preso desde novembro, quando foi deflagrada a Operação Calicute, também desdobrada da Lava Jato. Na segunda-feira, ele passou mal no Complexo Penitenciário de Gericinó e foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Dr. Hamilton Agostinho de Castro Vieira, localizada no complexo. Após realização de exames, foi liberado e voltou à cela. A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) informou que Cabral passa bem.

Lava Jato no Rio

No texto divulgado nesta terça, procuradores fazem um balanço das investigações da Calicute e da Eficiência, que apuram a ocultação de R$ 317.874.876. Segundo os investigadores, esse montante foi dividido da seguinte forma:
R$ 39.757.947,69, guardados com os irmãos Chebar no Brasil
US$ 100.160.304,90, depositados em dinheiro em contas em nome dos irmãos Chebar e outros, no exterior
1.008.708,00 de euros, ocultados sob a forma de diamantes, guardados em cofre no exterior
US$ 1.054.989,90, ocultados sob a forma de diamantes, guardados em cofre no exterior
US$ 247.950,00, ocultados sob a forma de quatro quilos e meio de ouro, guardados em cofre no exterior
Parte do valor já foi recuperado, segundo o MPF.

R$ 4 milhões por mês

Segundo a denúncia desta terça, os irmãos Chebar recebiam dos demais denunciados dinheiro em espécie oriundo dos crimes de corrupção praticados, “custodiavam tais recursos em seu escritório e os distribuíam posteriormente para pagamentos de despesas em favor dos membros do grupo criminoso”.

Os colaboradores entregaram ao MPF uma planilha de controle de caixa, que detalhava onde o dinheiro era utilizado. De 1º de agosto de 2014 a 10 de junho de 2015, foram gastos R$ 39.757.947,69 – média de cerca R$ 4 milhões por mês.
De acordo com o procuradores, as provas reunidas nas operações Calicute e Eficiência comprovaram que a organização criminosa chefiada por

Cabral promoveu a lavagem de ativos, no Brasil, por sete principais formas:
pagamento de despesas pessoais de Cabral e familiares
pagamento de despesas pessoais de Carlos Miranda e familiares
movimentação de recursos ilícitos para Carlos Bezerra
distribuição de recursos ilícitos para Sérgio de Oliveira
envio de valores ilícitos para Thiago Aragão
envio de valores ilícitos para Francisco de Assis Neto
entrega de valores ilícitos por Álvaro Novis aos colaboradores
Segundo os procuradores da República Leonardo Cardoso de Freitas, José Augusto Vagos, Eduardo El Hage, Renato Silva de Oliveira, Rodrigo Timóteo, Rafael Barretto, Sérgio Pinel, Jessé Ambrósio Junior e Lauro Coelho Júnior, que assinam a denúncia, “o vultuoso volume de recursos obtidos em razão dos crimes praticados pelo grupo criminoso exigia uma forte estrutura destinada à movimentação e lavagem do dinheiro da propina”.
Propina de Eike

Na semana passada, os procuradores da Lava jato no Rio denunciaram o ex-governador Cabral, o empresário Eike Batista e mais sete pessoas por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Essa denúncia focou em dois pagamentos feitos por Eike ao grupo: um de US$ 16,5 milhões de propinas ao ex-governador Cabral e um depósito de R$ 1 milhão à conta do escritório de advocacia da ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo.

Contas inativas do FGTS podem movimentar R$40 bi na economia, diz Temer

Contas inativas do FGTS podem movimentar R$40 bi na economia, diz Temer

Contas inativas do FGTS podem movimentar R$40 bi na economia, diz Temer
Contas inativas do FGTS podem movimentar R$40 bi na economia, diz Temer

BRASÍLIA (Reuters) – A liberação para saque das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) terá o potencial de movimentar cerca de 40 bilhões de reais na economia, afirmou nesta terça-feira o presidente Michel Temer, chamando atenção para o impacto positivo desse ingresso de recursos na atividade econômica.

O governo trabalha inicialmente com expectativa de injeção de 30 bilhões de reais com os saques. Mas em assinatura do decreto que estabelece o cronograma para as retiradas, o governo destacou que a medida contempla o universo de 49,6 milhões de contas, com saldo total de 43,6 bilhões de reais.

“Se todos sacarem, serão 40 bilhões ingressando na economia”, disse Temer.

A liberação dos recursos em contas inativas do FGTS foi anunciada pelo governo no fim do ano passado dentro de pacote de medidas microeconômicas para dar impulso à atividade após dois anos de profunda recessão.

Em coletiva de imprensa, o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, estimou que a medida deverá movimentar sozinha 0,5 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Em conjunto com outras iniciativas do governo anunciadas recentemente, como o reajuste no perfil de renda dos beneficiários do programa habitacional Minha Casa Minha Vida, o patamar sobe para 0,8 por cento do PIB, acrescentou.

Segundo Dyogo, o saque das contas inativas do FGTS deverá levar a uma redução mais rápida do endividamento das famílias, o que dinamizará a volta do crescimento econômico. Ele também previu que haverá diminuição do nível de inadimplência e, por consequência, do custo dos financiamentos no país.

“Sem dúvida esperamos que haja redução do nível de inadimplência o efeito disso em termos de spread é basicamente direto”, disse.

Por sua vez, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, argumentou que a medida não prejudica a solidez do FGTS e tampouco ameaça o funding do financiamento imobiliário no país.

OPERAÇÃO

Também presente no Palácio do Planalto, o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, afirmou que as agências do banco abrirão duas horas mais cedo entre os dias 15 e 17 deste mês para atendimento ao público, que poderá começar a sacar os recursos a partir do dia 10 de março conforme a data de nascimento. Neste caso, serão as pessoas nascidas em janeiro e fevereiro, e assim por diante.

O prazo para saque das contas inativas terminará em 31 de julho.

Para clientes da Caixa que têm conta poupança individual, o crédito será realizado automaticamente, com valor disponível na conta no dia de abertura do calendário mensal.

Além das agências, saques de até 3 mil reais também serão permitidos em correspondentes da Caixa e em Lotéricas com apresentação de documento de identificação do trabalhador e Cartão do Cidadão.

Saques acima desse valor poderão ser feitos exclusivamente em agências da Caixa, sendo que os que superarem o patamar de 10 mil reais exigirão apresentação da carteira de trabalho ou documento que comprove a extinção do vínculo de trabalho.

(Por Marcela Ayres e Lisandra Paraguassu)

Mais de R$ 16,5 milhões são destinados para instituições ligadas ao Pronatec

Mais de R$ 16,5 milhões são destinados para instituições ligadas ao Pronatec
Recursos vão assegurar a continuidade de cerca de 500 mil matrículas nas redes públicas e privadas de educação

O Pronatec foi criado em 2011 para expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica no País Arquivo/Agência Brasil
O Pronatec foi criado em 2011 para expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica no País
Arquivo/Agência Brasil

O Ministério da Educação destinou R$ 16,6 milhões ao Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). O investimento reforça o compromisso assumido pelo governo federal de ampliar a rede de educação técnica e profissional.

De acordo com a coordenadora geral da Bolsa-Formação do MEC, Francismara Alves de Oliveira Lima, o repasse garantirá a continuidade da oferta de cursos do programa.

“Esses recursos vão assegurar a continuidade de cerca de 500 mil matrículas nas redes públicas e privadas de educação, e no Sistema S”, disse.

O Pronatec foi criado em 2011 para expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica no País. Até 2014, o programa obteve mais de 8,1 milhões de matrículas, entre atividades técnicas e de qualificação profissional, em mais de 4.300 municípios. Já em 2015, foram 1,3 milhão de pessoas matriculadas.

Operação Capixaba: população do Espírito Santo retoma as atividades

Operação Capixaba: população do Espírito Santo retoma as atividades

Operação Capixaba: população do Espírito Santo retoma as atividades
Mais de 95% dos ônibus voltaram a circular, os setores de comércio abriram as suas portas e os serviços básicos como sistemas de saúde e educação

Segurança

Mais de 95% dos ônibus voltaram a circular, os setores de comércio abriram as suas portas e os serviços básicos como sistemas de saúde e educação funcionam normalmente

No oitavo dia da Operação Capixaba, o transporte público voltou a operar integralmente na Grande Vitória. As escolas públicas e privadas retomaram as aulas. Os setores públicos, como hospitais, poder judiciário, comércio funcionam normalmente.

O comandante da Força-Tarefa Capixaba, general Adilson Carlos Katibe, explicou que os números de homicídios foram reduzidos de forma significativa, tanto na capital quanto no interior do Espírito Santo.

Nessa segunda-feira (13), os militares realizaram uma grande operação de segurança, sendo empregado maior massa de seu efetivo na grande Vitória e em diversas cidades capixabas.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, que esteve em Vitória no último sábado (11), avalia que a tendência é a volta à normalidade em todo o estado. “Aos poucos a PM vai retomando suas atividades e a população começa a perceber mais segurança”, afirmou Jungmann.

Reforço

A operação teve por finalidade marcar a nova fase em que se encontra o estado, quando as pessoas retornam suas atividades nas ruas. Mais de 95% dos ônibus voltaram a circular, os setores de comércio abriram as suas portas, os bancos abriram as agências, o funcionalismo público federal e estadual retomou suas atividades normais e ainda os serviços básicos como sistemas de saúde e educação retornaram aos trabalhos.

Mais de 200 viaturas, sete blindados e quatro helicópteros estão sendo empregados nesta data, na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Espírito Santo, protegendo a incolumidade das pessoas e do patrimônio da sociedade capixaba.

Exportações impulsionam PIB do Japão no 4º tri, mas há incertezas com EUA

Exportações impulsionam PIB do Japão no 4º tri, mas há incertezas com EUA

Exportações impulsionam PIB do Japão no 4º tri, mas há incertezas com EUA
Bandeira nacional japonesa vista em distrito financeiro em Tóquio. 05/01/2017 REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Por Tetsushi Kajimoto e Stanley White

TÓQUIO (Reuters) – A economia do Japão cresceu pelo quarto trimestre consecutivo nos últimos três meses do ano passado com um iene mais fraco sustentando as exportações, mas o consumo privado fraco e os riscos de um crescente protecionismo dos Estados Unidos lançam dúvidas sobre uma recuperação sustentável.

A economia do Japão cresceu a uma taxa anualizada de 1 por cento no período entre outubro e dezembro, praticamente em linha com a alta de 1,1 por cento esperada pelos mercados, após uma expansão revisada de 1,4 por cento entre julho e setembro.

O crescimento do Japão no trimestre ajudou a reduzir o déficit econômico deixado pela demanda interna fraca. Mas há preocupações de que o persistente superávit comercial do Japão com os EUA possa tornar-se um alvo das críticas do presidente norte-americano, Donald Trump.

Durante uma reunião no fim-de-semana com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, Trump afastou-se de sua retórica anterior contra o Japão por usar seu estímulo monetário para enfraquecer o iene e ganhar uma vantagem comercial injusta. Mas analistas duvidam que uma lua de mel dure muito.

O ministro da Economia, Nobuteru Ishihara, disse que o Japão permanece com uma tendência de recuperação moderada e espera que o impulso positivo seja mantido, mas ele mostrou-se cauteloso sobre as perspectivas.

“Deve-se dar atenção à incerteza sobre a economia global e às flutuações nos mercados financeiros”, disse ele a jornalistas após a divulgação dos dados do Produto Interno Bruto.

Na comparação trimestral, o PIB avançou 0,2 por cento, contra crescimento de 0,3 por cento esperado por economistas.

A demanda externa –ou as exportações menos as importações– contribuiu com 0,2 ponto percentual para o PIB, com as exportações avançando 2,6 por cento, o crescimento mais rápido em dois anos, devido a embarques de carros para a China e para os Estados Unidos e de componentes eletrônicos para a Ásia.

O consumo privado, que representa cerca de 60 por cento do PIB, não mostrou crescimento, em linha com a previsão de economistas. O aumento dos preços dos alimentos frescos e vegetais deve ter deteriorado o poder de compra das famílias.

Coréia do Norte testes de mísseis balísticos; EUA para evitar a escalada

O teste provavelmente teria sido de um míssil de classe média Musudan de nível intermediário que desembarcou no Mar do Japão, de acordo com as forças

Coréia do Norte testes de mísseis balísticos; EUA para evitar a escalada
Os passageiros assistem a uma tela de TV transmitindo um noticiário sobre a Coréia do Norte disparando um míssil balístico no mar ao largo de sua costa leste, em uma estação ferroviária em Seul, Coréia do Sul, 12 de fevereiro de 2017. REUTERS / Kim Hong-Ji

Coréia do Norte testes de mísseis balísticos; EUA para evitar a escalada

Por Ju-min Park e Matt Spetalnick

SEOUL / WASHINGTON – A Coréia do Norte disparou um míssil balístico no mar no início do domingo, o primeiro teste desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, foi eleito, e seu governo indicou que Washington teria uma resposta calibrada para evitar tensões crescentes.

O teste provavelmente teria sido de um míssil de classe média Musudan de nível intermediário que desembarcou no Mar do Japão, de acordo com as forças armadas da Coréia do Sul, e não um míssil balístico intercontinental (ICBM), que o Norte disse que poderia testar a qualquer momento .

O lançamento marca o primeiro teste do voto de Trump de ficar duro em um regime norte-coreano isolado que no ano passado testou dispositivos nucleares e mísseis balísticos a um ritmo sem precedentes, em violação das resoluções das Nações Unidas.

Um funcionário dos EUA disse que a administração Trump esperava uma “provocação” norte-coreana logo após assumir o cargo e considerará uma gama completa de opções em resposta, mas eles seriam calibrados para mostrar a resolução dos EUA, evitando a escalada.

Mais tarde, o conselheiro da Casa Branca, Stephen Miller, disse no programa de televisão “Fox News Sunday” que “vamos reforçar e fortalecer nossas alianças vitais na região do Pacífico como parte de nossa estratégia para dissuadir e evitar a crescente hostilidade que vimos Nos últimos anos do regime norte-coreano “.

A nova administração também aumentará a pressão sobre a China para controlar a Coréia do Norte, refletindo a visão de Trump de que Pequim não fez o suficiente nesta frente, disse o funcionário, falando sob condição de anonimato.

“Isso não foi surpresa”, disse o oficial. “O líder norte-coreano gosta de chamar a atenção em momentos como este.”

O último teste ocorre um dia depois que Trump realizou uma reunião de cúpula com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, e também acompanha o telefonema de Trump na semana passada com o presidente chinês, Xi Jinping.

“Eu só quero que todos entendam e sabem perfeitamente que os Estados Unidos estão atrás do Japão, nosso grande aliado, 100%”, disse Trump a jornalistas em Palm Beach, na Flórida, falando ao lado de Abe. Ele não fez mais comentários.

Abe chamou o lançamento de “absolutamente intolerável” e disse que a Coreia do Norte deve cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

A NATO condenou o teste de mísseis em uma declaração do secretário-geral Jens Stoltenberg, que disse que a Coréia do Norte “deve abster-se de novas provocações, parar todos os lançamentos usando tecnologia de mísseis balísticos e abandonar de uma vez por todas seus programas de mísseis balísticos …”

O Ministério das Relações Exteriores francês também condenou o lançamento, afirmando que “a França reafirma sua solidariedade com seus parceiros na Ásia-Pacífico cuja segurança está ameaçada pelo programa nuclear e balístico da Coréia do Norte”.

A China é o principal aliado da Coréia do Norte, mas tem sido frustrada pelas repetidas provocações de Pyongyang, embora se assuste com a pressão de Washington e Seul para conter o Norte e seu jovem líder, Kim Jong Un.

Ministério das Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Trump e seus assessores devem pesar uma série de possíveis respostas, incluindo novas sanções dos EUA para apertar os controles financeiros, um aumento dos ativos navais e aéreos na península coreana e ao redor dela e a instalação acelerada de novos sistemas de defesa antimísseis na Coréia do Sul, a administração Disse o oficial.

Mas o funcionário disse que, considerando que o míssil não teria sido um ICBM e que Pyongyang não tivesse realizado uma nova explosão nuclear, qualquer resposta tentará evitar tensões.

“NÃO ACONTECERÁ”

Trump tem prometido uma abordagem mais assertiva para a Coréia do Norte, mas não deu nenhum sinal claro de como sua política seria diferente da chamada paciência estratégica de Obama. Em janeiro, Trump twittou “Não vai acontecer!” Depois de Kim dizer que o Norte estava perto de testar um ICBM, mas seus assessores nunca explicou como ele faria isso.

O míssil foi lançado a partir de uma área chamada Panghyon na região oeste da Coréia do Norte pouco antes das 8 horas (2300 GMT sábado) e voou cerca de 500 km (300 milhas), o Gabinete do Sul do Estado-Maior Conjunto disse.

“Nossa avaliação é que é parte de uma demonstração de força em resposta à posição de linha dura do novo governo dos EUA contra o Norte”, disse o escritório em comunicado.

Uma fonte militar sul-coreana disse que o míssil atingiu uma altitude de cerca de 550 km. Enquanto Seul inicialmente disse que o míssil era provavelmente um Rodong de médio alcance, mais tarde disse que o lançamento era provável de um Musudan, que é projetado para voar até 3.000-4.000 km.

O Norte tentou oito lançamentos Musudan no ano passado. Apenas um desses lançamentos – de um míssil que voou 400 km (250 milhas) em junho – foi considerado um sucesso por funcionários e especialistas na Coréia do Sul e nos Estados Unidos.

Kim disse em seu discurso de Ano Novo que o país estava perto de testar o lançamento de um ICBM e meios de comunicação estatais disseram que tal lançamento poderia vir a qualquer momento.

Os comentários provocaram um voto de uma resposta “esmagadora” do secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, quando ele viajou para a Coréia do Sul no início deste mês.

Uma vez totalmente desenvolvido, um ICBM norte-coreano poderia ameaçar os Estados Unidos continentais, que está a cerca de 9.000 km da Coréia do Norte. ICBMs têm uma escala mínima de aproximadamente 5.500 quilômetros (3.400 milhas), mas alguns são projetados viajar 10.000 quilômetros (6.200 milhas) ou mais.

A Coréia do Norte realizou dois testes nucleares e vários testes relacionados com mísseis no ano passado e foi visto por especialistas e autoridades para fazer progressos em suas capacidades de armas, embora até domingo nenhuma tentativa de lançamento de mísseis fosse detectada desde outubro.

Seus repetidos lançamentos de mísseis levaram Washington e Seul a concordar em implantar uma bateria anti-míssil de Terminal de Alta Altitude (THAAD) na Coréia do Sul no final deste ano, o que é fortemente oposto por Pequim, que preocupa o poderoso radar do sistema prejudica sua própria segurança.

O lançamento de domingo ocorre em um momento difícil para a Coréia do Sul, onde o presidente Park Geun-hye foi despojado de seus poderes depois de uma votação parlamentar de dezembro para acusá-la. Seu destino será decidido pelo Tribunal Constitucional, que está ouvindo argumentos sobre se a apoiar ou revogar o impeachment.

(Reportagem adicional de Jack Kim e Yun Hwan Chae em Seul, Phil Stewart em Washington, Ayesha Rascoe e Kiyoshi Takenaka em Palm Beach, Elaine Lies em Tóquio e Ben Blanchard em Pequim, e Tony Rupert e Raju Gopalakrishnan)

Justiça restabelece Moreira Franco como ministro, mas sem foro privilegiado

Empossado como ministro pelo presidente Michel Temer na sexta-feira passada, Moreira Franco é citado em delação premiada da Lava Jato e críticos dizem que sua nomeação serviu apenas para que ele passasse a ter foro no Supremo Tribunal Federal (STF)

 Moreira Franco em reunião no Palácio do Planalto. 8/6/2016. REUTERS/Ueslei Marcelino
Moreira Franco em reunião no Palácio do Planalto. 8/6/2016. REUTERS/Ueslei Marcelino

Justiça restabelece Moreira Franco como ministro, mas sem foro privilegiado

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Dois tribunais regionais federais derrubaram nesta sexta-feira liminares que suspendiam a nomeação de Moreira Franco como ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, mas um deles determinou que o peemedebista fique sem foro privilegiado.

Empossado como ministro pelo presidente Michel Temer na sexta-feira passada, Moreira Franco é citado em delação premiada da Lava Jato e críticos dizem que sua nomeação serviu apenas para que ele passasse a ter foro no Supremo Tribunal Federal (STF), ficando fora do alcance do juiz Sérgio Moro, responsável em primeira instância pela operação.

A determinação de que Moreira Franco fique sem foro privilegiado partiu do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (RJ). A decisão do juiz federal Alcides Martins Ribeiro Filho derrubou uma decisão da própria Justiça Federal do Rio de Janeiro, que na quinta-feira havia suspendido a nomeação de Moreira Franco para a pasta.

Já o Tribunal Regional Federal da 1ª Região restituiu o cargo a Moreira Franco, derrubando liminar concedida por um juiz da 1ª Vara Federal do Amapá. Como os tribunais regionais não se sobrepõem, o peemedebista fica sem foro privilegiado até que haja uma definição sobre a questão.

O ministro Celso de Mello, do STF, deve decidir na semana que vem sobre mandados de segurança contra a nomeação.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, no Rio de Janeiro, e Anthony Boadle, em Brasília)

Familiares de PMs protestam em batalhões no Rio, corporação diz que situação está controlada

A PM confirmou que houve protestos na porta dos batalhões e alguns bloqueios, mas em boa parte das unidades as viaturas estão indo para as ruas.

Depois do ES, mulheres de PMs do Rio protestam na frente de batalhões
Depois do ES, mulheres de PMs do Rio protestam na frente de batalhões

Familiares de PMs protestam em batalhões no Rio, corporação diz que situação está controlada – Parentes de policiais militares do Rio de Janeiro iniciaram na noite de quinta-feira uma onda de protestos na porta de alguns batalhões da corporação em todo o Estado, mas apesar das manifestações, seguidas de bloqueios da entrada de certas unidades, a situação é considerada controlada pela Polícia Militar.

A PM confirmou que houve protestos na porta dos batalhões e alguns bloqueios, mas em boa parte das unidades as viaturas estão indo para as ruas.

Desde o começo da semana havia rumores nas redes sociais de que a PM do Rio poderia parar nesta sexta em razão da insatisfação dos familiares dos policiais com a política salarial do Estado.

Os protestos e os rumores acontecem depois que policiais entraram em greve no Espírito Santo, com familiares bloqueando a saída de viaturas de batalhões da Polícia Militar do Estado, o que gerou cenas de violência e anarquia, além de mais de 100 mortes nas ruas capixabas, segundo um sindicato da categoria.

No meio da semana o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, reuniu a cúpula da Segurança Pública para analisar os rumores e anunciou medidas para a corporação.

“Nós reunimos a cúpula essa semana e atuamos para identificar os boatos. Sempre achamos que isso não ia acontecer”, disse o governador.

As manifestações começaram em batalhões do interior do Estado e se repetiram em outras unidades da região metropolitana.

Ainda de madrugada, o porta voz da PM divulgou um apelo nas redes sociais para que o movimento não ganhasse volume.

“Estamos cientes das manifestações, mas é fundamental não esquecer o que acontece no Estado vizinho do Espírito Santo… sabemos que nossa situação é difícil e complexa, mas não podemos permitir que esse cenário de barbárie chegue às nossas casas e famílias”, disse o major Ivan Blaz.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Número de homicídios no Espírito Santo passa de 100 durante greve da polícia

Número de homicídios no Espírito Santo passa de 100 durante greve da polícia

Policiais transportam corpo no Insituto Médico Legal em Vitória 9/02/ 2017. REUTERS/Paulo Whitaker
Policiais transportam corpo no Insituto Médico Legal em Vitória 9/02/ 2017. REUTERS/Paulo Whitaker

Por Paulo Whitaker

VITÓRIA (Reuters) – Mais de 100 pessoas foram mortas durante a greve de policiais no Espírito Santo que entrou no sexto dia nesta quinta-feira, disse um sindicato da categoria, e o transporte público foi interrompido e escolas e lojas permaneceram fechadas em decorrência da paralisação.

Cenas de violência e anarquia se espalharam pelo Estado desde o início da greve, apesar do envio de 1.200 homens das Forças Armadas e da Força Nacional e de uma promessa do Ministério da Defesa de disponibilizar mais soldados para enfrentar a crise.

A maior parte da violência está concentrada na capital Vitória. Autoridades do Estado disseram que precisam de mais tropas federais par ajudar a restaurar a ordem e substituir os 1.800 homens da Polícia Militar que normalmente patrulham a região metropolitana da cidade.

O governo estadual não divulgou números oficiais de mortes desde o início da greve da PM no sábado, deflagrada por uma demanda de aumento salarial, mas um porta-voz do sindicado que representa os policiais disse à Reuters nesta quinta-feira que foram registrados 101 homicídios desde sábado.

Caso confirmado, o número representaria seis vezes a média diária de homicídios em comparação com dados do ano passado.

De acordo com a rede Globo, citando fontes oficiais de segurança, cerca de 200 carros foram roubados em Vitória em um único dia, enquanto a média no Estado é de 20.

A associação comercial do Estado disse que os negócios registraram prejuízo de 90 milhões de reais desde o início da paralisação.

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, elogiou a atuação dos militares no Estado em sua conta no Twitter e disse que as tropas serão reforçadas.

“Com atuação madura, nossos militares evitaram o pior no conflito entre manifestantes e familiares dos policiais no ES. Parabéns!”, disse.

“A partir de agora, determinei o reforço no ES com tropas paraquedistas, blindadas e aviação do Exército. A missão será cumprida. A ação do Exército no ES é pontual. Vem viabilizar as negociações do governo e trazer paz à população. Não vamos substituir a PM.”

A greve, que tem participação de familiares e amigos de policiais que bloquearam acessos a batalhões, acontece à medida que o Espírito Santo, assim como outros Estados, enfrenta dificuldades financeiras para garantir serviços como saúde, educação e segurança.

Representantes dos policiais em greve, incluindo algumas esposas de PMs, se reuniram com autoridades do governo estadual na quarta-feira à noite para cobrar aumento de salário. Segundo o sindicato, eles não recebem aumento há quatro anos.

O salário médio mensal de um policial militar do Estado é 2.643 reais, de acordo com um representantes dos policiais em greve.

Os dois lados têm uma reunião marcada para mais tarde nesta quinta-feira.

(Reportagem adicional de Brad Brooks, em São Paulo)

Senado aprova MP que reforma o ensino médio; texto vai à sanção presidencial

Senado aprova MP que reforma o ensino médio; texto vai à sanção presidencial.

Senado aprova MP que reforma o ensino médio; texto vai à sanção presidencial
Escolas poderão escolher o que vão ensinar em 40% da carga horária; português, matemática, inglês, artes, educação física, filosofia e sociologia são obrigatórios.

Escolas poderão escolher o que vão ensinar em 40% da carga horária; português, matemática, inglês, artes, educação física, filosofia e sociologia são obrigatórios.

Senado aprovou na noite desta quarta-feira (8), por 43 votos a 13, a medida provisória que estabelece uma reforma no ensino médio. Por se tratar de uma medida provisória, o texto tem força de lei desde a publicação no “Diário Oficial”, em setembro.

O plenário rejeitou os dois destaques (propostas de alteração do texto) apresentados pela oposição. A matéria já passou pela Câmara. Com a aprovação no Senado sem mudanças, seguirá agora para sanção presidencial.

Logo após a aprovação pelo Senado, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência divulgou nota em que informa o presidente Michel Temer acompanhou a votação e congratulou-se com o Congresso (leia a íntegra ao final desta reportagem).

Segundo Temer, a iniciativa conclui “com êxito um longo ciclo de debates”. Ele disse que as soluções eram conhecidas pelos políticos, pela sociedade e por especialistas, mas “faltava vontade política para chegar a um resultado com a urgência exigida pelo assunto”.

O presidente afirmou que a reforma reforça as disciplinas de língua portuguesa, matemática e inglês e faz com que o estudante passe mais tempo na escola com a ampliação da jornada.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, assistiu à votação do plenário do Senado e comemorou a aprovação. “Trata-se de uma grande e importante mudança no ensino médio, que tem apresentado indicadores negativos”, afirmou à imprensa após a sessão.

ENTENDA O NOVO TEXTO DA REFORMA DO ENSINO MÉDIO

Disciplinas eletivas e obrigatórias

O texto aprovado permite que as escolas possam escolher como vão ocupar 40% da carga horária dos três anos do ensino médio: 60% será composto de um conteúdo mínimo obrigatório, que será pela Base Nacional Curricular Comum (BNCC), ainda em debate. Já o restante do tempo será definido de acordo com a proposta da escola, que deverá oferecer aos estudantes pelo menos um de cinco “itinerários formativos”:

linguagens e suas tecnologias
matemática e suas tecnologias
ciências da natureza e suas tecnologias
ciências humanas e sociais aplicadas
formação técnica e profissional

O ensino de português e de matemática será obrigatório nos três anos do ensino médio. Também será compulsório o ensino de inglês, artes, educação física, filosofia e sociologia. Na versão original enviada pelo governo, a MP deixava claro que somente matemática e português seriam obrigatórios.

Isso gerou a principal polêmica em torno do texto. No Brasil, não existe uma lei que especifica todas as disciplinas que deveriam obrigatoriamente ser ensinadas na escola – esse documento será a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), que ainda não saiu do papel. Até então, a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) só citava explicitamente, em trechos diversos, as disciplinas de português, matemática, artes, educação física, filosofia e sociologia como obrigatórias nos três anos do ensino médio.

Na versão original enviada pelo governo, a MP mudou isso, e retirou do texto as disciplinas de artes, educação física, filosofia e sociologia.

Desde que foi apresentada pelo governo, em setembro, a reforma se tornou alvo de protestos pelo país. Nos últimos meses de 2016, estudantes chegaram a ocupar escolas para se manifestar contra a MP.

Tempo integral

A medida provisória incentiva o ensino integral e estabelece que a carga horária deve ser ampliada, progressivamente, até atingir 1,4 mil horas anuais. Atualmente, o total é de 800 horas.

O texto fixa o prazo de cinco anos para que as escolas passem a ter carga horária anual de pelo menos mil horas.

Apoio financeiro

A medida provisória instituiu o Programa de Fomento à Implementação de Escolas em Tempo Integral, por meio do qual o Ministério da Educação apoiará a criação de 257,4 mil novas vagas no ensino médio integral.

Originalmente, a previsão era repassar à rede de ensino R$ 2 mil por ano para cada aluno, durante quatro anos. O texto aponta que a política poderá ser aplicada “por dez anos”.

‘Notório saber’

O texto aprovado manteve a autorização para que profissionais com “notório saber”, reconhecido pelo sistema de ensino, possam dar aulas exclusivamente para cursos de formação técnica, desde que ligadas às áreas de atuação deles.
Também ficou definido que profissionais graduados sem licenciatura poderão fazer uma complementação pedagógica para que estejam qualificados a ministrar aulas.

Nota do Planalto

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela Secretaria de Comunicação da Presidência logo após a aprovação da MP pelo Senado.

Nota à imprensa

O Presidente da República acompanhou a votação em caráter final da reforma do Ensino Médio. Ao expressar sua gratidão pelo papel desempenhado nesse processo pelo Ministro da Educação Mendonça Filho, o Presidente Michel Temer congratula-se com o Congresso Nacional pelo apoio a mais essa importante etapa vencida na agenda de reformas promovida pelo Governo Federal.

A aprovação da reforma do ensino médio conclui com êxito um longo ciclo de debates iniciado há muito tempo na área da educação. As soluções eram amplamente conhecidas não só por especialistas, mas também pela classe política e pela sociedade em geral. Faltava vontade política para chegar a um resultado com a urgência exigida pelo assunto.

A reforma do ensino médio será instrumento fundamental para a melhoria do ensino no país. Ao propor a flexibilização da grade curricular, o novo modelo permitirá maior diálogo com os jovens, que poderão adaptar-se segundo inclinações e necessidades pessoais. Com isso, o ensino médio aproximará ainda mais a escola do setor produtivo à luz das novas demandas profissionais do mercado de trabalho. E, sobretudo, permitirá a cada aluna e aluno que siga o caminho de suas vocações e sonhos profissionais.

Ao mesmo tempo, cuidou-se de que a reformulação não só tornasse obrigatório, como reforçasse o ensino nos três anos do ensino médio de disciplinas como língua portuguesa, matemática e língua inglesa, cujo domínio é imprescindível, sob qualquer critério, para a formação de nossos estudantes nos dias de hoje e de nossos cidadãos no futuro.

No novo modelo o jovem passará mais tempo na escola: a jornada escolar do Ensino Médio será progressivamente ampliada para 1.400 horas, como dispõe o Plano Nacional de Educação (PNE).

O novo sistema deverá contribuir ainda para, em poucos anos, colocar o Brasil em melhores posições em exames internacionais de avaliação de desempenho escolar, como o PISA, em benefício, portanto, dos estudantes brasileiros e de nossa sociedade.

A reforma do ensino médio é assim mais um passo decisivo no rumo da modernização do país por meio da agenda inadiável de reformas de que o Brasil tanto necessita e cuja execução é um compromisso central do Presidente Michel Temer.
Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

Os nervos políticos elevam o ouro, a euro e a dívida francesa do dente

Os nervos políticos elevam o ouro, a euro e a dívida francesa do dente

Os nervos políticos elevam o ouro, a euro e a dívida francesa do dente
Os nervos políticos elevam o ouro, a euro e a dívida francesa do dente
Traders trabalhar em suas mesas em frente ao índice de preço da ação alemão, placa DAX, na bolsa de valores de Frankfurt, Alemanha, 01 de fevereiro de 2017. REUTERS / Staff / Remote

Por Hilary Russ

NOVA YORK – A incerteza política diante das eleições europeias deu a investidores nervosos uma razão para vender o euro e manteve a dívida do governo francês sob pressão na quarta-feira, enquanto o preço do ouro seguro atingiu os máximos de três meses.

Os estoques de Wall Street abriram mais baixos, agravados pelas perdas nos setores bancário e de saúde, e os preços das ações européias se tornaram negativos, enquanto o petróleo se recuperou após um surpreendente empate nos estoques de gasolina.

O Dow Jones Industrial Average .DJI caiu 39 pontos, ou 0,19 por cento, para 20,051.29 no final da manhã em Nova York. O S & P 500 .SPx perdeu 0,66 pontos, ou 0,03 por cento, para 2,292.42 eo Nasdaq Composite .IXIC adicionou 2,84 pontos, ou 0,05 por cento, para 5,677.05.

Três meses antes da última rodada da eleição presidencial francesa, os investidores estão preocupados com a forte exibição do candidato de extrema direita Marine Le Pen, que prometeu tirar a França da zona do euro e realizar um referendo sobre a adesão à União Européia.

As taxas de rendibilidade das obrigações de dívida pública da zona do euro caíram amplamente, apesar de a dívida francesa ter ficado aquém do resto com rendimentos a 10 anos FR10YT = TWEB caindo três pontos base para 1,1 por cento, mas não muito longe dos máximos de 17 meses atingidos na segunda-feira. Os equivalentes alemães de baixo risco DE10YT = TWEB caíram 5,4 pb para 0,31 por cento, um mínimo de duas semanas.

Isso empurrou o spread entre os dois rendimentos em um ponto para mais de 78 bps, o mais amplo desde novembro de 2012, uma jogada que também foi alimentada pelas expectativas de que o esquema de estímulo para compra de títulos do Banco Central Europeu tenha atingido um pico.

“Se você retroceder, a grande imagem ainda permanece – a de preocupações políticas na Europa concomitante com a especulação sobre ECB afunilamento”, disse Rabobank cabeça da estratégia de taxas Richard McGuire.

Os investidores premium exigem títulos bonificados a 10 anos em vez de Bunds alemães atingiram seu maior patamar desde 2014.

Além da dívida alemã, os investidores também compraram ouro, que é visto como um investimento seguro. Spot ouro XAU = bateu um máximo de três meses de US $ 1.244,67 uma onça.

O euro caiu outra de 0,1 por cento, para US $ 1,0688 EUR = depois de uma queda acentuada na terça-feira.

O petróleo bruto americano CLc1 subiu 0,84%, ou 44 centavos, às 1605 GMT. O Brent LCOc1 subiu 1,00 por cento, ou 55 centavos, a 55,61 dólares, após as notícias de um grande aumento nos estoques nos dados da US Energy Information Administration terem os preços caírem inicialmente de um dia para o outro.

“A construção do inventário de petróleo bruto foi realmente terrível para o mercado, mas o mercado não parece se importar porque os estoques de produtos foram melhores do que o esperado e estão arrastando os preços do petróleo para cima com ele”, disse Andrew Lipow, presidente da Lipow Oil Associates em Houston .

O dólar norte-americano, cujo caminho previsto mais alto foi interrompido ultimamente pela incerteza sobre as políticas econômicas do presidente dos EUA Donald Trump, registrou-se 0,03 por cento contra uma cesta de outras principais moedas.

Os investidores ainda estão esperando para ver se Trump faz bom em suas promessas de campanha para cortar impostos e aumentar os gastos.

“Os mercados sabem que se Trump fosse sair e começar a falar sobre a reforma tributária e as despesas de infra-estrutura, o dólar iria subir. O dólar subiu um longo caminho no final do ano passado, ele voltou, agora estamos sentados à espera Para o próximo boi “, disse Gavin Friend, estrategista da National Australia Bank em Londres.

(Reportagem adicional de Nigel Stephenson e Ahmad Ghaddar em Londres, Yashaswini Swamynathan em Bengaluru e Scott Disavino em Nova York, Edição de Catherine Evans e Clive McKeef)

Ocorrências ‘despencaram’ com Exército nas ruas, diz governo do ES

Ocorrências ‘despencaram’ com Exército nas ruas, diz governo do ES
Secretário e governador deram entrevista sobre situação da segurança.

Governo do Espírito Santo falou sobre crise na segurança pública nesta quarta (Foto: Vinícius Valfre/ A Gazeta)
Governo do Espírito Santo falou sobre crise na segurança pública nesta quarta (Foto: Vinícius Valfre/ A Gazeta)

Pelo 5º dia, protestos de familiares de PMs impedem policiamento das ruas.
O secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, afirmou nesta quarta-feira (8) que, desde que as Forças Armadas passaram a patrulhar as ruas, “as ocorrências despencaram”. Nenhum número oficial foi divulgado.

Pelo 5º dia seguido, o estado vive uma onda de violência causada pela falta de policiamento. Familiares de PMs pedem reajuste salarial e protestam impedindo a saída dos militares dos batalhões. O sindicato dos policiais já registrou 87 mortes violentas.

Em entrevista à imprensa, André Garcia afirmou que todos os municípios da região metropolitana de Vitória estão atendidos pela Força Nacional. Agora, será reforçado o policiamento em cidades do interior, como Guarapari.

O governador em exercício do Espírito Santo, César Colnago, afirmou que há pelo menos 500 policiais militares na rua, apesar da paralisação, e que vai fazer “tudo o que for preciso” para recolocar todo o efetivo na rua.

Negociações

O governo argumenta que está “no limite” para dar reajuste salarial, dentro da Lei de Reajuste Fiscal, e que não deixou de dialogar com os servidores e as mulheres dos PMs, mas espera que a lei seja cumprida.

Colnago disse que, diferente de outros estados, “os servidores do Espírito Santo estão recebendo em dia”. “Nós não somos um governo populista, que promete as coisas e não tem como cumprir. Não vamos ser irresponsáveis.”

“Pedimos bom senso e razoabilidade, e não podemos colocar a população nessa situação”, disse Colnago. Segundo ele, o governo só vai discutir reajuste quando tiver condições financeiras.

O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSDB), afirmou que algumas lideranças estão aplicando o “método da chantagem”. Ele disse ainda que a Lei de Responsabilidade Fiscal precisa ser cumprida e que “vai chegar uma hora que essa crise vai passar”.

Questionado se os PMs parados serão exonerados, o governador em exercício afirmou que todos serão submetidos ao que diz a lei, “no momento certo”.

O secretário de Segurança disse que o ES está vivendo situações nunca vividas antes. Ele lembra que a PM não pode fazer greve. “Esse movimento tem envergonhado o Espírito Santo. Todas essas ocorrências, todas essas mortes, está na conta deles.”

Sem acordo

A reunião entre mulheres de PMs, associações dos militares e deputados estaduais e a senadora Rose de Freitas (PMDB), que ocorreu nesta terça-feira (7) na Assembleia Legislativa do Espírito Santo, terminou sem acordo.

Esposa de policial, a manifestante Thamires da Silva disse que espera negociar com o governo. “Queremos antecipar o diálogo o quanto antes. Nossa pauta pede o reajuste de 43% referentes aos últimos três anos em que isso não aconteceu, além da anistia dos PMs, para que eles não sofram retaliações. Só após essas duas exigências serem aceitas, poderemos negociar a saída dos policiais.”

Os manifestantes esperam uma conversa com o governo nesta quarta, mas ela não foi confirmada pelo governo.
Retorno do governador

No início da entrevista, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PSDB), falou sobre seu estado de saúde. Ele tratou um tumor na bexiga no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e voltou ao estado nesta quarta-feira (8). Hartung afirmou que seu tratamento foi bem-sucedido e que voltará ao hospital em dois meses para acompanhamento.
A recomendação médica é que o governador volte ao trabalho na próxima semana, mas ele afirmou que, com alguma limitação, já está ajudando “desde ontem”.

Campanha de presidente da Colômbia é suspeita de receber dinheiro da Odebrecht

Campanha de presidente da Colômbia é suspeita de receber dinheiro da Odebrecht, diz Procuradoria

 Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. 24/11/2016 REUTERS/Jaime Saldarriaga
Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. 24/11/2016 REUTERS/Jaime Saldarriaga
Campanha de presidente da Colômbia é suspeita de receber dinheiro da Odebrecht, diz Procuradoria

BOGOTÁ (Reuters) – A campanha eleitoral de 2014 do atual presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, é suspeita de ter recebido até 1 milhão de dólares da empreiteira brasileira Odebrecht, informou a Procuradoria-Geral do país na terça-feira, em mais um desdobramento de um grande escândalo de corrupção espalhado pela América Latina.

Parte de um pagamento de 4,6 milhões de dólares supostamente feito pela empreiteira para Otto Bula, ex-senador do Partido Liberal, foi repassada para a campanha de reeleição de Santos, disse o procurador-geral da Colômbia, Nestor Humberto Martínez, em comunicado.

“Foi estabelecido que desta quantia, em 2014 o sr. Otto Bula realizou duas transferências para a Colômbia, que foram sacadas à época, de 1 milhão de dólares, e cujo beneficiário final foi a campanha ‘Santos para Presidente – 2014′”, disse.

O chefe da campanha do presidente, Roberto Prieto, negou a acusação, e Camilo Enciso, secretário presidencial da transparência, disse que as acusações são falsas.

A Odebrecht não atendeu a pedidos de comentários em sua sede em São Paulo.

Bula, preso no mês passado por acusações de recebimento de propinas e enriquecimento ilícito, fora encarregado pela Odebrecht de garantir que de pedágios de preços elevados fossem incluídos em um contrato para a construção de uma rodovia, segundo Martínez.

Bula nega as acusações.

(Reportagem de Helen Murphy)

Brasil e Argentina pressionam por comércio mais estreito com México na era Trump

Brasil e Argentina pressionam por comércio mais estreito com México na era Trump

Brasil e Argentina pressionam por comércio mais estreito com México na era Trump
A presidente argentina, Mauricio Macri (L) e seu colega brasileiro Michel Temer trocar documentos após uma reunião no Palácio do Planalto, em Brasília, Brasil 07 de fevereiro de 2017. REUTERS / Adriano Machado

Por Alonso Soto

BRASÍLIA – Os líderes do Brasil e da Argentina disseram na terça-feira que perseguirão laços mais estreitos com o México e outras nações latino-americanas alarmados com as promessas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de desmantelar acordos comerciais e construir um muro para proteger os empregos americanos.

Os líderes do Brasil e da Argentina disseram na terça-feira que perseguirão laços mais estreitos com o México e outras nações latino-americanas alarmados com as promessas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de desmantelar acordos comerciais e construir um muro para proteger os empregos americanos.

Em uma visita de Estado a Brasília, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse que o bloco comercial regional sul-americano Mercosul se concentrará no fortalecimento de sua relação com o México, a segunda maior economia da América Latina depois do Brasil.

Trump abandonou o acordo da Trans-Pacific Partnership que visava reforçar o comércio entre 12 nações do Pacífico, incluindo México, Chile e Peru.

Em sua campanha para manter empregos manufatureiros nos Estados Unidos, a Trump também ameaçou impor impostos maiores às empresas norte-americanas que abriram novas fábricas no exterior e prometeu retrabalhar o Tratado de Livre Comércio da América do Norte com o Canadá eo México.

As tensões são particularmente altas com o México depois que Trump ordenou a construção de um muro ao longo de sua fronteira de 2.200 milhas (3.200 quilômetros) com os Estados Unidos para impedir a imigração ilegal.

Esses movimentos foram saudados por Macri, que chegou ao poder em 2015 em um programa de negócios, e seu homólogo brasileiro Michel Temer como uma oportunidade para aprofundar os laços comerciais na América Latina, muito tempo ofuscado pelo poder econômico de Washington.

“Essa mudança de cenário fará com que o México se volte para o sul com mais convicção”, disse Macri em um comunicado, após ter assinado uma série de pequenos acordos com Temer, um centrista que assumiu a presidência no ano passado após o impeachment de Dilma Rousseff.

Macri disse que conversou com o presidente mexicano, Enrique Pena Nieto, na segunda-feira, para discutir o aprofundamento da cooperação entre o México eo Mercosul e lhe desejou boa sorte em suas negociações com os Estados Unidos.

PROTEÇÃO DO DITCHING?

Tanto Macri como Temer estão tentando abrir seus países – por décadas consideradas entre as economias mais fechadas do hemisfério ocidental – em um esforço para reanimar a atividade após anos de recessão.

Alguns especialistas em comércio local dizem que uma potencial ruptura entre os Estados Unidos eo México poderia abrir espaço para as nações latino-americanas.

“O México representa uma grande oportunidade para o Brasil ea região”, disse Welber Barral, ex-secretário de Comércio Internacional do Brasil de 2007 a 2011. “O México é um grande importador de produtos agrícolas e sua indústria automobilística poderia complementar a do Brasil”.

Desde 2015, o Brasil, grande exportador de milho e soja, está em negociações bilaterais com o México para aumentar os laços comerciais no âmbito de um acordo comercial regional.

O fluxo de comércio entre as maiores economias latino-americanas caiu cerca de 10% entre 2012 e 2016 para US $ 7,3 bilhões, aproximadamente o tamanho do comércio entre o Brasil e o muito menor Chile.

Tanto Macri como Temer também esperam que o Mercosul possa aproveitar a aparente mudança na postura comercial dos EUA para fechar um acordo de livre comércio com a União Européia em negociações que se prolongaram por mais de uma década.

Depois de suspender a Venezuela liderada pelos socialistas do Mercosul no ano passado, após a persistente incapacidade de Caracas de atender aos requisitos de entrada, a Argentina e o Brasil estão se preparando para ampliar os laços comerciais. Pequenos vizinhos Paraguai e Uruguai também são membros do Mercosul.

As tensões sobre o acesso ao mercado, no entanto, continuam a prejudicar o bloco comercial regional. Embora Buenos Aires esteja disposta a discutir a entrada do açúcar brasileiro em seu mercado, sua tentativa de aumentar os benefícios fiscais para os fabricantes locais de autopeças enfureceu os rivais brasileiros.

Em entrevista aos jornais brasileiros publicados na terça-feira, Macri reclamou do déficit comercial de US $ 4,3 bilhões do país com o Brasil.

(Reportagem de Alonso Soto, edição de Paul Simao e Dan Grebler)

Dólar sobe ante real com temores sobre eleições na Europa

Dólar sobe ante real com temores sobre eleições na Europa

dólar operava com leve alta ante o real
dólar operava com leve alta ante o real

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar operava com leve alta ante o real nesta terça-feira, em sintonia com o mercado externo em meio a um ambiente de maior aversão ao risco devido às tensões sobre as eleições na França e na Alemanha.

A expectativa de ingresso de recursos externos, no entanto, continha a valorização da moeda norte-americana.

Às 10:32, o dólar avançava 0,10 por cento, a 3,1290 reais na venda, depois de terminar na véspera praticamente estável, a 3,1260 reais. O dólar futuro registrava alta de 0,56 por cento.

“O mercado está com os olhos voltados para o exterior, para as eleições na França. Se a Marine Le Pen vencer, pode ser o fim do euro, isso causa algum estresse”, comentou um profissional de câmbio de uma corretora local.

O candidato independente à Presidência francesa, Emmanuel Macron, de centro, venceria a líder da extrema-direita, Marine Le Pen, no segundo turno da eleição presidencial, segundo pesquisa de opinião divulgada mais cedo. No entanto, Le Pen teria o maior número de votos no primeiro turno da eleição, em abril, com 25 por cento, comparado aos 23 por cento de Macron.

Pesquisa do JPMorgan mostrou que o euro pode cair rapidamente a um nível abaixo da paridade com o dólar caso Le Pen vença as eleições de maio.

A cena política da Alemanha também tem tirado o sono dos investidores. Pesquisa recente revelou que o Partido Social-Democrata da Alemanha venceria os conservadores da chanceler Angela Merkel caso as eleições fossem agora.

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas e moedas de países emergentes, como os pesos mexicano e chileno. Pressionado por preocupações políticas, o euro também caminhava para a maior queda diária de 2017 nesta sessão.

A expectativa de ingresso de recursos externos no Brasil, no entanto, tem mantido uma pressão de baixa sobre o dólar. Na véspera, a mineradora Vale reabriu seu bônus 2026, no valor de 1 bilhão de dólares.

Várias empresas vêm captando recursos neste começo de ano, favorecendo a trajetória de baixa do dólar ante o real.

O Banco Central novamente não anunciou qualquer intervenção no mercado de câmbio para esta sessão, por ora.