Sobre Wimbledon 2017

Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth

Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth
Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth

Murray e Djokovic

Roger Federer se classificou mais uma vez às semifinais de Wimbledon

Milos Raonic em três sets e se tornou o franco favorito ao título após a derrota inesperada do atual campeão, Andy Murray, e a desistência de Novak Djokovic devido a uma lesão. Continue lendo “Murray e Djokovic”

Sobre Wimbledon 2017

Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth

Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth
Ana Bogdan, da Roménia, em ação durante sua segunda rodada contra a francesa Caroline Garcia. REUTERS / Stefan Wermuth

Fotos e notícias pelo mundo a escolha do editor

Fotos e notícias pelo mundo a escolha do editor – Um membro do conjunto de Prizma que desgasta os bodysuits cheios contínuos toma parte em um festival

Um membro do conjunto de Prizma que desgasta os bodysuits cheios contínuos toma parte em um festival para o feriado judaico de Hanukkah no trem claro em Jerusalem 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Amir Cohen Reuters / segunda-feira, dezembro 26, 2016
Um membro do conjunto de Prizma que desgasta os bodysuits cheios contínuos toma parte em um festival para o feriado judaico de Hanukkah no trem claro em Jerusalem 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Amir Cohen Reuters / segunda-feira, dezembro 26, 2016

Um membro do conjunto de Prizma que desgasta os bodysuits cheios contínuos toma parte em um festival para o feriado judaico de Hanukkah no trem claro em Jerusalem 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Amir Cohen Reuters / segunda-feira, dezembro 26, 2016

Flores em memória dos passageiros e membros da tripulação do exército russo Tu-154, que caiu no Mar Negro no seu caminho para a Síria no domingo, são colocados em um aterro na cidade de Sochi, Rússia, no dia 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Maxim Shemetov
Flores em memória dos passageiros e membros da tripulação do exército russo Tu-154, que caiu no Mar Negro no seu caminho para a Síria no domingo, são colocados em um aterro na cidade de Sochi, Rússia, no dia 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Maxim Shemetov
Picador Rafael Torres reage enquanto está preso sob um cavalo como um touro carrega durante um festival taurino na praça de touros de Canaveralejo em Cali, Colômbia, 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Jaime Saldarriaga - Reuters / terca-feira, dezembro 27, 2016
Picador Rafael Torres reage enquanto está preso sob um cavalo como um touro carrega durante um festival taurino na praça de touros de Canaveralejo em Cali, Colômbia, 26 de dezembro de 2016. REUTERS / Jaime Saldarriaga – Reuters / terca-feira, dezembro 27, 2016
Inscrições para o vestibular 2017.2 da UEFS serão abertas em 18 de abril
Inscrições para o vestibular 2017.2 da UEFS serão abertas em 18 de abril

Marcelo Melo conquista Wimbledon em maratona de quase cinco horas

Ao lado do polonês Lukasz Kubot, brasileiro supera 4h41 de drama na final e leva único Grand Slam que Brasil ainda não havia vencido na Era Aberta (desde 1968)

Ao lado do polonês Lukasz Kubot, brasileiro supera 4h41 de drama na final e leva único Grand Slam que Brasil ainda não havia vencido na Era Aberta (desde 1968)

Marcelo Melo Wimbledon (Foto: Michael Steele / Staff)
Marcelo Melo Wimbledon (Foto: Michael Steele / Staff)

Foram eternos 281 minutos. Um jogo tão longo quanto inesquecível. O brasileiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot se tornaram campeões de duplas do torneio de Wimbledon, o único Grand Slam que faltava ao Brasil na Era Aberta (desde 1968). O título veio em 4h41 com vitória sobre o austríaco Oliver Marach e o croata Mate Pavic, cabeças de chave 16, por 3 sets a 2, parciais de 5/7, 7/5, 7/6(2) e 3/6 13/11.

O feito histórico foi o desfecho de uma narrativa dramática na decisão. Melo e Kubot brilharam quando pressionados diante de adversários muito sólidos, apesar de inexperiente em grandes finais. Foi o desfecho apropriado para um resultado marcante para o tênis brasileiro após uma grande campanha no Grand Slam britânico. A vitória só veio no terceiro match-point, quase uma hora depois das primeiras chances para fechar o jogo.

Garantido como número 1 no ranking individual de duplas, o mineiro conquistou o único Grand Slam que um brasileiro ainda não havia conquistado desde 1968, quando o tênis se profissionalizou (antes, Maria Esther Bueno venceu em Wimbledon nas simples em 1959, 60 e 64 e nas duplas em 1958,60,63,65,66).

Marcelo Melo havia sido campeão em Roland Garros, na França, em 2015, ao lado do croata Ivan Dodig. E o brasileiro Bruno Soares venceu também em duplas masculinas na Austrália e no US Open, em 2016.

Marcelo Melo Kubot final duplas Wimbledon (Foto: Glyn Kirk / AFP)
Marcelo Melo Kubot final duplas Wimbledon (Foto: Glyn Kirk / AFP)

Líderes no ranking do ano, Melo e Kubot somam 14 vitórias consecutivas no circuito. Eles venceram também ATP 250 de s-Hertogenbosch (na Holanda), o ATP 500 de Stuttgart, torneios preparatórios disputados na grama. Eles também foram campeões na quadra dura do Masters 1000 de Miami, em abril, e no saibro do Masters 1000 de Madri, em maio. Em Wimbledon, foram quatro vitórias em cinco sets, incluindo a semifinal e a decisão.

Três Match Points

Os rivais embalaram no final da primeira parcial, não cometeram erros e conseguiram quebrar o polonês para sair na frente no jogo. O austríaco Marach conseguiu fazer a diferença do fundo e disparou uma devolução vencedora no break point.

Assim como no primeiro set, Marach e Pavic permaneceram mais firmes na devolução. A história se inverteu no segundo set, quando o brasileiro e o polonês cresceram na partida. Kubot encontrou devoluções impecáveis e conseguiu empatar a partida com um grande lob. O equilíbrio predominou na parcial seguinte e, sem quebras, a decisão foi para o tiebreak pela primeira vez. Melo e Kubot não sentiram a pressão e foram melhores para voltar a liderar o placar.

Marcelo Melo Kubot final duplas Wimbledon (Foto: Glyn Kirk / AFP)
Marcelo Melo Kubot final duplas Wimbledon (Foto: Glyn Kirk / AFP)

Os adversários não recuaram e conseguiram pressionar o mineiro e conquistar nova quebra para abrir 3/1. Novamente no saque do austríaco, Melo e Kubot quebrar e igualaram a parcial.

O desfecho do jogo foi dramático. Os favoritos começaram sacando, mas o quinto e decisivo set seguiu sem quebras. Como o quinto set é longo, a dupla vencedora teria de abrir dois games de vantagem para fechar a partida. O parceiro do brasileiro voltou a brilhar na devolução e conseguiu pressionar novamente Marach, mas Melo não se encontrou e os oponentes igualaram em 5/5 no 5º set.

Lukasz Kubot e Marcelo Melo posam com troféu de Wimbledon (Foto: REUTERS/Matthew Childs)
Lukasz Kubot e Marcelo Melo posam com troféu de Wimbledon (Foto: REUTERS/Matthew Childs)

O mineiro foi firme no último game e teve dois match-points, mas o croata Pavic brilhou no serviço e conseguiu salvar ambas as chances. Sacando em 8/8, Kubot passou sufoco e precisou salvar três chances de quebras consecutivas. Os adversários seguiram pressionando, mas o brasileiro e o polonês não se abalaram. Após a paralisação de 10 minutos para que as luzes fossem ligadas, a quebra veio e Marcelo Melo e Lukasz Kubot foram ao chão, comemorando a conquista no terceiro match point.