Mercado piora previsão para déficit primário em 2017 e 2018, mostra Prismade, déficit primário de 139 bilhões de reais para o ano, naquele que será o quarto ano seguido em que o governo não consegue economizar para pagar juros da dívida pública.

A expectativa agora é de rombo de 145,268 bilhões de reais para 2017
A expectativa agora é de rombo de 145,268 bilhões de reais para 2017

SÃO PAULO (Reuters) – Especialistas do mercado pioraram as projeções para o déficit primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) tanto para este ano quanto o próximo, com queda nas arrecadações, mostrou o relatório Prisma Fiscal do Ministério da Fazenda divulgado nesta quinta-feira

A expectativa agora é de rombo de 145,268 bilhões de reais para 2017, sobre 142,052 esperados antes, afastando-se ainda mais da meta de déficit primário de 139 bilhões de reais para o ano, naquele que será o quarto ano seguido em que o governo não consegue economizar para pagar juros da dívida pública.

Para 2018, ainda segundo o Prisma, a projeção de déficit passou a 129 bilhões de reais, contra 127,446 bilhões no relatório anterior. Os dados foram coletados até o quinto dia útil de julho.

A previsão de arrecadação federal também mostrou piora em ambos os anos, com estimativa de 1,34 trilhão de reais este ano e 1,439 trilhão em 2018, sobre 1,346 e 1,451 trilhão no levantamento anterior.

Para a dívida bruta, os números mostraram leves ajustes. Para 2017, os economistas passaram a ver 75,6 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), sobre 75,47 por cento antes, enquanto para 2018 a estimativa agora é de 78,67 por cento, frente a 78,60 por cento.

Por Camila Moreira

http://redealmeidense.com.br/wp-content/uploads/Banco-Central-1024x677.jpghttp://redealmeidense.com.br/wp-content/uploads/Banco-Central-150x99.jpgRede AlmeidenseNoticiaMercado piora previsão para déficit primário em 2017 e 2018, mostra Prismade, déficit primário de 139 bilhões de reais para o ano, naquele que será o quarto ano seguido em que o governo não consegue economizar para pagar juros da dívida pública. SÃO PAULO (Reuters) - Especialistas do mercado pioraram...Notícia de Política e Informação Financeira