O partido brasileiro do PSDB poderia sair da coalizão após o voto, que não havia motivo para participar do governo depois que as reformas fossem votadas. Temer está liderando uma série de reformas de redução do déficit, como uma revisão dos códigos trabalhistas e previdenciários do Brasil.

O partido brasileiro do PSDB poderia sair da coalizão após o voto
O senador Tasso Jereissati (L) fala com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, durante uma reunião do Partido Brasileiro de Democracia Social (PSDB) em Brasília, Brasil 12 de junho de 2017. REUTERS / Ueslei Marcelino

O partido brasileiro de social-democracia, o maior aliado do presidente Michel Temer, pode partir da coalizão, uma vez que o Congresso aprovou uma série de reformas econômicas nas próximas semanas, informou o Estado de São Paulo, segunda-feira, citando um membro do partido sênior.

O governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, líder sênior do PSDB e um candidato presidencial, disse ao Estado que não havia motivo para participar do governo depois que as reformas fossem votadas. Temer está liderando uma série de reformas de redução do déficit, como uma revisão dos códigos trabalhistas e previdenciários do Brasil.

Suas observações acontecem quando outros líderes do PSDB se encontram mais tarde no dia para discutir a posição do partido no governo de Temer, afirmou Estado. Os senadores devem votar na reforma do código trabalhista na votação plenária na terça-feira.

O apoio a Temer diminuiu depois que o procurador-geral Rodrigo Janot o acusou no mês passado em conexão com um enorme escândalo de corrupção. Temer repetidamente negou qualquer irregularidade.

Os esforços para entrar em contato com os escritórios de mídia de Alckmin e Temer antes do horário de trabalho não foram úteis.

O projeto de lei de reforma trabalhista, a primeira grande revisão das regras trabalhistas em sete décadas, já foi aprovado pela câmara baixa. Os sindicatos afirmam que o plano de Temer exige mais contratos temporários de trabalho e terceirização, enfraquecendo seu poder, eliminando as taxas sindicais obrigatórias e outras medidas.

(Reportagem de Guillermo Parra-Bernal, edição de Toby Chopra)

http://redealmeidense.com.br/wp-content/uploads/PSDB-1-1024x720.jpghttp://redealmeidense.com.br/wp-content/uploads/PSDB-1-150x105.jpgRede AlmeidenseNoticiaO partido brasileiro do PSDB poderia sair da coalizão após o voto, que não havia motivo para participar do governo depois que as reformas fossem votadas. Temer está liderando uma série de reformas de redução do déficit, como uma revisão dos códigos trabalhistas e previdenciários do Brasil. O partido brasileiro...Notícia de política e informações financeiras.